Início do ano é uma época dedicada à preparação da vida escolar: material, uniforme e matrícula. Os pais interessados em mudar os filhos de colégio ou que vão colocá-los pela primeira vez na escola precisam prestar atenção em diversos fatores para realizar uma boa escolha. São procedimentos que podem garantir satisfação, compensação financeira e a qualidade de ensino.

O professor Jacir Venturi, vice-presidente do Sindicato das Escolas Particulares do Paraná (Sinepe/PR), lembra que a questão financeira deve ser levada em consideração pelos pais ou responsáveis.

É necessário saber se a mensalidade está dentro do orçamento familiar, além dos custos que vêm junto com os estudos, como material escolar, uniforme e passeios. “A escolha também passa pelo valor. Nem sempre a escola cara é boa. Mas nenhuma escola boa é barata”, afirma.

Ele ainda lembra que os pais também devem prestar atenção no padrão socioeconômico do estabelecimento, o que pode gerar conflitos posteriores. “Tem escola que se torna grife e que nem sempre é adequada para o filho. O padrão é mais elevado que o da família e isto gera problemas porque o aluno começa a conviver com a realidade de outras famílias. Ele acaba solicitando este padrão aos pais”, ressalta Venturi.

A localização também deve ser levada em conta na hora de escolher a escola adequada. De acordo com o professor, ela deve estar nas proximidades da residência da família ou na rota dos pais para o trabalho. Pensar nisto pode evitar transtornos, especialmente quanto ao trânsito.

Além disso, Venturi orienta os pais a verificarem o registro da escola na secretaria de educação, o alvará de funcionamento, liberação do Corpo de Bombeiros e licença da Vigilância Sanitária.

“Temos um número significativo de escolas na Região Metropolitana de Curitiba, principalmente de Educação Infantil, sem a situação regularizada. Isto implica em professores sem registro, sem pedagogos e sem a segurança necessária para a educação”, alerta.

Os pais devem priorizar a área pedagógica no momento de avaliar as escolas. Também é preciso analisar os valores da instituição, filosofia e ligação com alguma religião.

“Para não gerar conflitos entre os ensinamentos da família e os da escola”, explica Venturi. Ele aconselha, para fundamentar a escolha, uma visita espontânea para os pais perceberem a rotina da escola. Isto deve acontecer preferencialmente com a presença do filho. Esta ferramenta pode ser usada quando o processo de escolha acontece com o ano letivo ainda em andamento.

Se você tem críticas ou sugestões, envie e-mail para consumidor@oestadodoparana.com.br.