São Paulo

(AE) – O número de cheques devolvidos é recorde nos primeiros cinco meses deste ano, de acordo com acompanhamento da Serasa, empresa prestadora de informações sobre cheque e crédito. Em média, foram devolvidos 14,7 cheques para cada 1.000 compensados, o maior índice desde 1991, quando a empresa começou a fazer a pesquisa. O aumento foi de 17,6% em relação ao mesmo período do ano passado.

De acordo com o assessor econômico da empresa, Carlos Henrique de Almeida, os fatores conjunturais foram os principais responsáveis por este resultado. O desemprego e o encolhimento da massa salarial, aliados ao aumento da taxa de juros e dos preços administrados, reduziram a renda da população e motivaram o aumento da inadimplência.

Além disso, o comércio, para estimular as vendas, alongou prazos dos cheques pré-datados nos últimos meses, aumentando ao mesmo tempo o risco de não recebê-los. “A cada 30 dias a mais de prazo, dobra o risco de não pagamento”, explicou Almeida.

Ele alertou que o volume de cheques devolvidos iniciou o ano em nível superior ao do segundo semestre de 2001, o que tradicionalmente não ocorre. Em março, foi batido o recorde mensal: de cada 1.000 cheques compensados, 16,2 cheques foram devolvidos. Em maio, o índice foi de 14,9, o que representa 2,7% mais que abril (14,5). Na comparação com maio de 2001, o crescimento foi de 5,7%.