O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou nesta segunda-feira (30) que o pacote de desoneração fiscal anunciado, que envolve o setor automobilístico, de motocicletas, construção civil e alguns segmentos que atuam na Zona Franca de Manaus, deve gerar uma renúncia aos cofres do Tesouro de cerca R$ 1,5 bilhão.

Contudo, o ministro ressaltou que tal montante deve ser recuperado pelo governo a partir da elevação dos tributos para as indústrias fabricantes de cigarros, como o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), o Programa de Integração Social (PIS) e a Contribuição Para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) apartir de 1º de maio.

De acordo com o ministro, o maço de cigarros populares deve registrar uma elevação ao redor de 20% para o consumidor, enquanto as marcas mais caras devem apresentar um incremento próximo a 25%. “Como não há mais excesso de arrecadação, como ocorreu no ano passado, temos de providenciar uma nova receita, que não afete em nada o nível de atividade no País. Portanto, o aumento de impostos para o cigarro acaba beneficiando setores fundamentais para a economia, o que é uma troca bastante conveniente para o Brasil”, afirmou.