O movimento de empresários do turismo que pede a volta do horário de verão teve a adesão de um setor com alta capilaridade no país. A Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes) entrou na campanha.

O pedido, enviado a Bolsonaro nesta semana, também foi assinado por representantes de entidades de turismo de Santa Catarina, Paraná, Bahia e São Paulo. A carta cita a crise hídrica, dizendo que a medida não gera grandes reduções no consumo de energia, mas tem efeitos positivos no setor.

LEIA TAMBÉM:

>> Praça de meio milhão em homenagem às vítimas da covid-19 fica pronta em Curitiba

>> Paraná diminui toque de recolher e libera restaurantes todos os dias

Eles argumentam que os ajudaria a expandir o horário de atendimento das atividades turísticas à luz do dia.

A extinção do horário de verão foi uma das primeiras medidas de Bolsonaro, que veio por meio de um decreto ainda em abril de 2019.​ Na época, o presidente apostava que a mudança elevaria a produtividade do trabalhador brasileiro porque, segundo ele, afetava o relógio biológico da população.