O índice de atividade industrial nos Estados Unidos, do Instituto para Gestão de Oferta (ISM, na sigla em inglês), subiu para 48,9 em julho, de 44,8 em junho e 42,8 em maio. O índice superou a previsão média dos economistas de 46,5. Entretanto, o índice permanece abaixo de 50, o que indica que a atividade no setor de manufatura segue em contração em julho. Mas o diretor da pesquisa para o ISM, Norbert Ore, afirmou que os números sugerem perspectiva de crescimento no terceiro trimestre se o ritmo atual for mantido.

O relatório mostrou que o subíndice de produção avançou para 57,9 em julho, de 52,5 em junho, enquanto o subíndice de novas encomendas foi para 55,3 em julho, de 49,2 em junho. As contratações seguem fracas, entretanto o subíndice de emprego subiu para 45,6 em julho, de 40,7 em junho. Os estoques diminuíram em ritmo menor, mostrou o subíndice de estoques que subiu para 33,5 em julho, de 30,8 em junho. Já o subíndice de preços avançou para 55 em julho, de 50 em junho.

Gastos com construção

Os gastos com construção nos EUA aumentaram 0,3% em junho na comparação com maio, para uma taxa anual sazonalmente ajustada de US$ 965,66 bilhões, informou o Departamento de Comércio do país nesta segunda-feira. A previsão média de analistas era de queda de 0,5%. Foi o segundo aumento em três meses. Em maio, o índice caiu 0,8%, dado revisado em relação à diminuição de 0,9% anunciada originalmente. Na comparação com junho do ano passado, os gastos com construção diminuíram 10,2%.

Os gastos com construções residenciais aumentaram 0,7% em junho ante maio, para US$ 253,8 bilhões; ante junho do ano passado, houve queda de 29,3%. Os gastos com construção do setor privado diminuíram 0,1% em junho ante maio, para US$ 643,9 bilhões. No setor público, os gastos aumentaram 1%, para US$ 321,7 bilhões. As informações são da Dow Jones.