O sistema de bandeiras tarifárias na conta de luz, implantado este mês, está estreando no vermelho. Isso significa que o consumidor está pagando uma taxa extra de R$ 3 a cada 100 quilowatts-hora (kWh) de energia.

As bandeiras verde, amarela e vermelha indicam se a energia está custando mais ou menos, em função das condições de geração de eletricidade. Como os últimos meses foram de seca, as usinas hidrelétricas passaram a gerar menos energia e as usinas térmicas, que têm custo de geração maior, foram acionadas com mais frequência.

Segundo a Copel, a média de consumo de uma residência no Paraná é de 174 kWh por mês. Portanto, nos meses em que vigorar a bandeira vermelha, o acréscimo médio na conta de luz dos paranaenses será de R$ 5,22.

Na prática, o consumidor já vem pagando por isso nos últimos anos. A diferença é que essa cobrança ocorria apenas uma vez por ano, na data do reajuste das concessionárias – 24 de junho, no caso da Copel. Agora, esse repasse será feito mês a mês, sinalizando previamente ao consumidor o preço da energia que ele consome e dando a opção de economizar.

Para diminuir a cobrança extra, a alternativa do consumidor é economizar energia. Para isso, é fundamental reduzir a utilização de aparelhos de maior potência, como ferro de passar, chuveiro elétrico, ar condicionado, geladeira e máquina de lavar roupa, por exemplo. Além de reduzir o tempo em que esses equipamentos ficam ligados, outras dicas podem ajudar a diminuir o consumo (veja quadro).

Para auxiliar no controle de gastos, a Copel tem em seu site um simulador que detalha o consumo de cada aparelho eletrônico (www.copel.com/hpcopel/simulador). Na ferramenta, o usuário seleciona o cômodo e adiciona os aparelhos que utiliza em cada um, incluindo suas características e tempo de uso. Com isso, é possível medir o quanto de energia cada aparelho consome e quanto esse consumo influi na conta.