Brasília (AE) – Mesmo com a valorização constante do real frente ao dólar, a balança comercial continua mostrando vitalidade. Tanto exportações quanto importações registram em novembro as maiores médias diárias do ano. Nas primeiras três semanas do mês, as exportações somaram US$ 6,87 bilhões, com média diária de US$ 573,2 milhões, o que representou um aumento de 40,5% em relação a novembro de 2004. As importações atingiram US$ 4,12 bilhões, com média diária de US$ 343,8 milhões, alta de 13% sobre no mesmo período de comparação.

Com esse resultado, o superávit acumulado no ano subiu para US$ 39,1 bilhões, com exportações de US$ 103,50 bilhões e importações de US$ 64,39 bilhões. O saldo comercial em 2005 já é quase US$ 10 bilhões superior ao resultado que se registrava no ano passado nessa mesma época, de US$ 29,51 bilhões.

Na terceira semana deste mês, que teve um dia útil a menos por causa do feriado da Proclamação da República, na terça-feira passada, a balança teve superávit de US$ 924 milhões, o que elevou o saldo acumulado em novembro para R$ 2,75 bilhões, segundo informou ontem o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

A corrente de comércio (exportações mais importações), importante indicador econômico dos países, chegou a US$ 167,9 bilhões, conforme os dados do MDIC. Em 2004 até a terceira semana de novembro, a corrente de comércio estava em R$ 139,65 bilhões, quase R$ 30 bilhões a menos do que neste ano.

Em novembro, até a terceira semana todas as categorias de produtos tiveram aumento nas exportações. A média diária das vendas de produtos básicos subiu 67% em relação a novembro do ano passado, refletindo principalmente o aumento dos embarques de petróleo em bruto, soja em grão, uvas frescas, mármores e granitos, minérios de ferro, algodão em bruto, farelo de soja, fumo em folhas e carne suína e de frango.