Depois da boa notícia da redução de 18,12% na conta de energia da Copel, os paranaenses podem se preparar para desembolsar até 10,62% a mais na fatura de água e esgoto. Este é o índice aprovado pelo Conselho de Administração da Sanepar na primeira reunião extraordinária do ano, realizada na terça-feira. Os conselheiros validaram o programa de investimentos para o triênio 2013-2015 no valor de R$ 2,122 bilhões. Com recursos próprios e financiados, a previsão é aplicar R$ 801,8 milhões neste ano, R$ 754,2 milhões em 2014 e R$ 566,1 milhões em 2015.

A proposta de reajuste tarifário foi encaminhada ao Instituto das Águas do Paraná, a quem compete autorizar ou não o aumento e, em caso positivo, decidir o percentual. O órgão informou que levará entre 15 e 30 dias para analisar o pedido. Após essa definição, a elevação das taxas segue para sanção do governador Beto Richa e passará a valer 30 dias após a publicação do decreto estadual. Se confirmado, será a terceira alta consecutiva nos três anos de mandato do tucano. As correções foram de 16% em abril de 2011 e de 16,5% em abril de 2012. A bancada de oposição na Assembleia Legislativa chegou a entrar na Justiça para tentar barrar o decreto que permitiu a majoração das tarifas no ano passado, mas não obteve êxito.

Valores

A Sanepar atende hoje 346 dos 399 municípios do Estado, fornecendo água para 9,5 milhões de habitantes, dos quais 6 milhões contam com tratamento de esgoto. Se aprovado o reajuste pleiteado pela empresa, a tarifa residencial de água para consumo até 10 metros cúbicos passará de R$ 22,10 para R$ 24,44, o que representa acréscimo de R$ 2,34. Já a taxa de esgoto subirá de R$ 18,78 para R$ 20,77 em Curitiba e de R$ 17,68 para R$ 19,55 nas demais localidades. A taxa mínima de água e esgoto saltará de R$ 40,89 para R$ 45,21 na capital e de R$ 39,78 para R$ 43,99 nas outras cidades. Já a tarifa social da água, que beneficia 171 mil paranaenses, será majorada dos atuais R$ 5,80 (para consumo de até 10 metros cúbicos) para R$ 6,41.