Mesmo sem refletir ainda o impacto do acidente com o vôo 3054 da TAM, a confiança do consumidor já estava bastante abalada com o caos do setor aéreo em julho. Levantamento especial da Fundação Getúlio Vargas (FGV), feito a partir da Sondagem Conjuntural das Expectativas do Consumidor em julho, mostra que, entre os dias 2 a 20 desse mês, 25% do total de 2.000 entrevistados planejam viajar de férias nos próximos seis meses. Desse total, 37,8% planejam usar o avião como meio de transporte – ante porcentual de 41,7% em junho deste ano.

Ao mesmo tempo, passou de 35,5% para 39,5% a parcela dos entrevistados interessados em viajar de automóvel durante as férias, de junho para julho. Ao se comparar com o cenário do ano passado, a diferença também é expressiva. Em julho de 2006, 42 9% planejavam usar o avião como meio de transporte nas férias, e 29,3% desejam usar o automóvel como meio de transporte.

O coordenador de Sondagens Conjunturais da FGV, Aloísio Campelo, explicou que os resultados da pesquisa não refletem, em sua maioria, o impacto do acidente com o avião da TAM. "Mais de 90% das informações da pesquisa já tinham sido coletadas quando houve o acidente", disse. "Mesmo assim, o consumidor já estava manifestando interesse de viajar menos de avião", disse.

Destino

Para ele, o cenário no setor aéreo, também afetou a decisão do consumidor quanto ao destino de sua viagem de férias. Em julho do ano passado, 71,6% planejavam viajar pelo Brasil; esse porcentual subiu para 81,9% em julho deste ano. Campelo considerou que numa viagem pelo País é possível utilizar transporte terrestre, diferente do que ocorre na maioria das viagens internacionais, que precisam ser feitas de avião.

"A crise favoreceu o turismo interno, em detrimento do turismo externo. Com o câmbio (desvalorização do Real ante o dólar) como está, muita gente poderia estar interessada em viajar para fora. Mas isso não ocorreu", disse. Para agosto, o economista espera resultados muito ruins para as respostas do consumidor sobre viagem de férias. Isso porque a pesquisa do mês que vem refletirá todo o impacto do acidente no humor do consumidor.