O setor público registrou em novembro superávit primário de R$ 6,817 bilhões. Em outubro, o superávit foi de R$ 15,347 bilhões e em novembro de 2006, de R$ 5,605 bilhões. O resultado ficou no piso das previsões de analistas. No resultado de novembro, o governo central contribuiu com superávit de R$ 4,784 bilhões e os governos regionais, com saldo positivo de R$ 2,007 bilhões, sendo R$ 1,889 bilhão dos governos estaduais. As empresas estatais tiveram superávit de R$ 26 milhões.

As estatais federais deram uma contribuição positiva de R$ 167 milhões, enquanto as companhias estaduais tiveram déficit de R$ 169 milhões. As empresas municipais tiveram superávit de R$ 28 milhões. De janeiro a novembro, o setor público acumula superávit de R$ 113,387 bilhões, o equivalente a 4,87% do PIB. De janeiro a novembro do ano passado, o superávit era de R$ 96 597 bilhões, o equivalente a 4,55% do PIB. No acumulado do ano, o governo central teve superávit de R$ 68,127 bilhões, os governos regionais, saldo positivo de R$ 30,638 bilhões, e as empresas estatais de R$ 14,622 bilhões.

Nos doze meses encerrados em novembro, o setor público acumula superávit de R$ 106,934 bilhões, o equivalente a 4,22% do PIB. Até outubro, o superávit em 12 meses estava em 4,20% do PIB. O governo central acumula superávit de R$ 62,364 bilhões, os governos regionais, de R$ 28,625 bilhões, e as estatais, de R$ 15,945 bilhões.