A inflação atacadista acelerou em março, influenciada principalmente pelo encarecimento da soja e do milho e pela queda menos intensa nos preços do minério de ferro. O resultado levou o Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10) a subir 0,83% neste mês, após alta de 0,43% em fevereiro, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV).

De acordo com a instituição, o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) avançou 0,75%, ante aumento de 0,03% na mesma base de comparação. As maiores pressões vieram das matérias-primas brutas (-1,26% para 0,88%), com destaque para soja (-7,79% para 4,29%), minério de ferro (-4,45% para -0,47%) e milho (-2,23% para 3,24%). No sentido contrário, destacaram-se mandioca (18,09% para 1,01%), bovinos (1,31% para -0,36%) e café (2,46% para -1,40%).

Entre os bens intermediários (-0,17% para 0,24%), três dos cinco subgrupos ganharam força na passagem do mês. O destaque ficou coma materiais e componentes para a manufatura, que caiu 0,68% em fevereiro e passou a subir 0,16% em março.

No caso dos bens finais, houve um pequeno alívio, com a taxa passando de 1,29% no mês passado para 1,17% agora em março. Segundo a FGV, o subgrupo bens de consumo duráveis (1,22% para -0,05%) foi o principal responsável pelo movimento. Apesar disso, outros itens ficaram mais caros, como o tomate (21,19%) e os ovos (26,31%). O período de coleta de preços para o IGP-10 de março foi do dia 11 de fevereiro ao dia 10 deste mês.