Os associados do Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças (Ifef) do Paraná acompanharam ontem a apresentação do projeto do Parque Jockey Shopping. O centro de lazer e compras está sendo construído em uma área de 205.000 m2 – dentro do terreno do Jockey Club do Paraná – e faz parte de um investimento de R$ 150 milhões que o grupo Sonae Emplanta está fazendo em Curitiba.

A apresentação é uma estratégia do grupo português, que vem mantendo contatos com instituições para divulgar o projeto, e conquistar possíveis parceiros. O diretor de desenvolvimento da Sonae Emplanta, João Miranda afirmou que as obras do shopping iniciam em julho deste ano, e a previsão é inaugurar o empreendimento em março de 2005. Segundo ele, 70% da área bruta locável (ABL) – que vai abrigar 280 lojas – já foi comercializada, o que demonstra que o empreendimento é viável. “Curitiba possui uma ABL abaixo de outras capitais, e isso a torna uma cidade interessante para investimentos”, disse Miranda.

O grupo Sonae possui investimentos nos setores de shoppings de compras e lazer em Portugal, Espanha, Grécia, Alemanha e Áustria. No Brasil, conta com oito shoppings, e promete investir nos próximos três anos R$ 500 milhões no setor. Para João Miranda, apesar do setor de varejo ter apresentado uma pequena variação positiva nesse primeiro semente – 6% em abril -, o grupo está apostando na mudança desse panorama, já que os números de faturamento do segmento shopping vem crescendo a cada ano. Em 2002 o setor faturou R$ 24 bilhões, “e para esse ano a previsão é fechar com resultados que podem alcançar R$ 40 milhões”, disse Miranda.

Posição

Para o presidente do Ibef, José Ecio Pereira da Costa Júnior, a Curitiba ainda não chegou no patamar desejado da área de varejo. Isso deverá ser conquistado nos próximos dez anos, em função da atração de profissionais que virão atender as grandes empresas já instaladas na capital. Segundo ele, com a inauguração do Parque Jockey Shopping, e de outro investimento no setor que também está sendo construído em Curitiba, a cidade deverá atender a ocupação de ABL e atingir o mesmo patamar de grandes centros.