O presidente da SR Rating, Paulo Rabello de Castro, prevê para a economia brasileira um crescimento de apenas 2,7% em 2013 e, ainda assim, introduz na previsão um viés de baixa. De acordo com Castro, que falou para representantes do mercado financeiro em evento organizado nesta quinta-feira, em São Paulo, pela Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Acrefi), a economia do Brasil cresce pouco porque perdeu o que ele chama de “fatores milagrosos da produção”.

“O crescimento no Brasil está contratado para expandir de 2% a 2,5% porque é só isso que os fatores de produção estão crescendo”, disse, acrescentando que para o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro poder aumentar de 3,5% a 4%, a produtividade teria de avançar de 1% a 1,5%. “Mas a produtividade no Brasil está zebrada”, disse.

Ele atribui essa falta de produtividade à ausência de um projeto econômico para o País. “A presidente Dilma é conhecida como uma boa gerente, mas ela não soube montar uma equipe de bons gestores e executivos”, afirmou. Segundo Castro, “se o Brasil crescer 2,5% neste ano, não será porque a presidente Dilma Rousseff ou o ministro (da Fazenda, Guido) Mantega fizeram alguma coisa, mas porque esse crescimento já estava contratado”.