O ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, afirmou hoje que o governo está monitorando de perto o comportamento dos preços e do abastecimento de álcool no País, mas garantiu que a possibilidade de redução da mistura de etanol na gasolina não está em discussão neste momento. Esta semana, tanto a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) quanto o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, informaram que o governo estuda essa possibilidade.

A expectativa é a de que o porcentual de álcool na gasolina caia dos atuais 25% para até 20%. “Estamos passando por um pequeno problema neste momento, mas que não prejudica o abastecimento”, afirmou Stephanes após participar do 1º Congresso Brasileiro de Pesquisa em Pinhão Manso, realizado pela Associação Brasileira dos Produtores de Pinhão Manso e pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

“Não vemos perigo de desabastecimento, mas se o desequilíbrio entre oferta e demanda continuar, poderemos mexer no mix mais para a frente”, disse, salientando que em várias regiões do País a colheita de cana-de-açúcar está em safra. O ministro acrescentou que a percepção atual do governo é a de que a produção e o mercado se regularão nos próximos meses.