O presidente do Banco Central, Henrique Meirel-les, disse ontem que pela primeira vez em sua história o Brasil está crescendo com superávit na sua conta corrente – que engloba as principais transações do País com o exterior. Isso, segundo ele, mostra que o País está na rota do crescimento sustentado.

O Brasil acumula no ano, até abril, um superávit de US$ 948 milhões em transações correntes. Em 12 meses, o saldo das transações correntes é positivo em US$ 5,842 bilhões, o equivalente a 1,14% do PIB (Produto Interno Bruto). Em abril, porém, a conta de transações correntes registrou seu primeiro déficit neste ano, de US$ 735 milhões.

“No passado, muitas vezes o Brasil crescia, mas aumentava o seu déficit em conta corrente, que chegou a superar US$ 30 bilhões por ano”, disse Meirelles.

De acordo com o presidente do BC, esses déficits deixavam a economia brasileira vulnerável. “A vulnerabilidade era uma das razões do nosso padrão de freadas e arrancadas que prevaleceu durante tanto tempo na economia brasileira”, afirmou.

Meirelles ressaltou que, além do superávit fiscal, o País vem obtendo saldos comerciais recordes. No ano, até a terceira semana de junho, a balança comercial brasileira registra superávit de US$ 13,435 bilhões.

O presidente do BC considera, porém, que o desafio para o País, agora, é avançar na agenda microeconômica, que poderá aumentar, no longo prazo, a “taxa de crescimento potencial da economia” brasileira.

Investimentos

Para Meirelles, os investimentos no País ainda estão abaixo do desejado, mas já acontecem em setores como os de bens de capital e de máquinas e equipamentos.

“O setor de bens de capital é o que está liderando, junto com o agronegócio, o processo de crescimento da produção industrial (…). Isso indica que existem investimentos”, disse o presidente do BC, após participar de eventos em São Paulo.