O presidente do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), Guido Mantega, disse ontem que a meta de 4,25% do superávit será mantida. Ele negou que o governo tenha debatido a proposta de elevar a meta e afirmou que o esforço para apertar as contas deveria ser refletido num aumento do investimento.

Apesar das declarações de que ?não existe a polêmica do superávit?, representantes do governo já vinham sinalizando que o ministro da Fazenda, Antônio Palocci, havia proposto a elevação da meta. O presidente do PT, Tarso Genro, chegou a afirmar em sua última passagem pelo Rio de Janeiro que Palocci já havia encaminhado documento ao PT sobre a proposta.

Segundo Mantega, o governo discute apenas a necessidade de reduzir despesas de custeio e maneiras de ganhar eficiência com programas de choque de gestão. ?A minha posição é que ao invés de traduzir isso em aumento do superávit, deve-se traduzir isso em aumento de investimento?, disse.

A redução do custeio da máquina deve ser feita por meio de novos procedimentos para compras de material, como compras eletrônicas. Segundo Mantega, o governo deve aumentar investimentos na área de infra-estrutura para permitir o aumento das exportações.