Foto: Cíciro Back/O Estado

Rubens Ghilardi, presidente da Copel.

A Copel foi a empresa que mais baixou suas tarifas de energia elétrica este ano, alcançando a redução de 12,71% no preço do quilowatt-hora. Levantamento realizado pela Aneel – Agência Nacional de Energia Elétrica -, apontou que entre as 64 concessionárias de distribuição com atuação no país, 20 tiveram redução nos preços cobrados dos consumidores servidos em baixa tensão, que representa a grande maioria do público. Entre as que reduziram tarifas, nenhuma baixou tanto quanto a Copel.

?Esse é o resultado de uma gestão preocupada com a eficiência e com a racionalização de custos?, avaliou o presidente da estatal, Rubens Ghilardi. ?Esse percentual reflete, entre outras coisas, o cuidado que tivemos em renegociar custos, como os representados pelos onerosos contratos de importação de energia da Argentina com a Cien, de garantia de preços da usina de Itiquira com a norte-americana NRG e o de compra da energia da Usina de Araucária com a também americana El Paso?, detalhou.

Descontos

A Copel atende diretamente a quase 3,3 milhões de unidades consumidoras ligadas em 393 municípios do Paraná e mais Porto União, em Santa Catarina. Todos esses usuários já pagavam a menor das tarifas cobradas pelas concessionárias de porte comparável ao dela, e por três anos – entre junho de 2003 e junho de 2006 – beneficiaram-se da política de descontos praticada pela Copel, como prêmio à pontualidade no pagamento da conta de luz. ?Em decorrência desses descontos, os clientes da Copel tiveram nesse período o equivalente a quase quatro meses de energia elétrica grátis em casa?, comparou Ghilardi.

Em dinheiro, esse benefício concedido pela Copel significou a manutenção de mais de R$ 1 bilhão nas mãos da população. ?Mesmo com os descontos, a Copel apresentou resultados positivos nos últimos três anos, demonstrando que ser uma empresa estatal, com missões sociais a cumprir, não significa necessariamente não ser lucrativa?, reforçou o presidente. ?Não é a natureza do capital o fator que determina os resultados financeiros e econômicos de uma empresa, mas a seriedade e a austeridade da sua gestão.?

Além da Copel, reduziram expressivamente suas tarifas a também estatal CEEE, do Rio Grande do Sul (9,39%) e a Cenf, do município de Nova Friburgo, Rio de Janeiro (8,51%). Na outra ponta, os maiores aumentos foram autorizados à Cataguazes-Leopoldina, de Minas Gerais (13,94%), Bandeirante, de São Paulo (13,18%) e Santa Maria, do Espírito Santo (10,55%). (AEN)