O ministro da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República, Franklin Martins, reforçou hoje a tese defendida no governo de que a Telebrás é a empresa mais indicada para ser a gestora do Plano Nacional de Banda Larga e para administrar as redes de fibras óticas das estatais de energia e da Petrobras.

“O mais fácil e o melhor (caminho) é a Telebrás”, afirmou o ministro, durante a audiência pública no Senado. Em entrevista depois do debate, Martins explicou que este assunto ainda não está definido no governo. “O que está certo é que o governo vai pegar suas fibras óticas, parte das quais ganhou direito ao uso na Justiça, e vai utilizar isso como fator de regulação e competição”, acrescentou.

O assessor especial da Presidência da República, Cezar Alvarez, que coordena o grupo responsável pela elaboração do plano de expansão da internet rápida, também afirmou que os “estudos mais aprofundados dizem que o melhor é a Telebrás”. Alvarez voltou a dizer que o governo não tem interesse de prestar serviços da banda larga ao consumidor final, mas tem a obrigação de levar a internet rápida a locais onde as grandes empresas não atuam. “Não pretendemos substituir o mercado, mas não podemos dizer que nunca iremos aonde o mercado não quiser ir. Temos a obrigação de garantir esse serviço a todo e qualquer cidadão brasileiro”, afirmou Alvarez na mesma audiência.