Paulínia – O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse ontem que o Brasil vive um bom momento e que o crescimento da economia se dará “com solidez”. “Vivemos um bom momento e vamos crescer com solidez, talvez não com a rapidez que alguns desejariam, mas sem a lerdeza de outros”, disse Lula na sede da Refinaria Planalto (Replan), em Paulinia, no interior de São Paulo.

Segundo Lula, o Brasil vai crescer de forma sustentada, sem picos de crescimento num ano de 10% e, no outro ano, nada crescer. “O que sabemos é que o Brasil não pode mais parar”, disse o presidente. Lula minimizou o fator de tensão provocado pela reunião do Comitê de Política Monetária (Copom). “Sempre que chegamos às vésperas da reunião do Copom tem gente que entra numa espécie de TPC, tensão pré-Copom”, brincou Lula, para quem o governo vai fazer o que tiver que ser feito.

O presidente voltou a fazer uma metáfora para explicar o que o governo pode fazer com os juros. “Vamos fazer as coisas que têm que ser feitas, mas podem ter certeza que vamos fazer o que estiver ao nosso alcance. É como o Corinthians que perdeu domingo, mas se esforçou, procurou fazer o melhor”, disse o presidente. Lula voltou a defender o projeto da transposição do Rio São Francisco e disse que pretende, no ano que vem, fazer pelo semi-árido brasileiro o mesmo que o presidente americano Franklin Rooselvelt fez no Vale do Tenessee, nos Estados Unidos.

“Os que criticam o projeto de transposição do São Francisco não tomaram água suja como eu e meus irmãos tomamos quando crianças no Nordeste. Tomávamos a mesma água do gado e isso precisa acabar”, disse Lula, dizendo que o projeto das Parcerias Público Privadas (PPP) precisa ser aprovado para que obras importantes para o País sejam executadas. Antes do discurso, o presidente acompanhou o trabalho de solda do primeiro tubo do gasoduto que ligará Campinas ao Rio de Janeiro, num total de 455 km, para o transporte de 8 milhões de metros cúbicos de gás boliviano que já chegou a São Paulo e que até outubro do ano que vem deverá chegar ao Rio por esse gasoduto.

As obras, que serão feitas pela Petrobras, custarão US$ 300 milhões. Apesar do lançamento da obras hoje, na Refinaria de Paulinia, a construção esbarra num problema técnico, já que a Prefeitura de Paulinia ainda não deu o álvara para o início das obras.

Lula disse, na noite de segunda-feira, que é contra a reeleição e defendeu um mandato de cinco ou seis anos para o cargo. “É o ideal”, afirmou.