A parcela de títulos prefixados na Dívida Pública Federal (DPF) subiu de 41,92% em maio para 42,52% em junho. Os papéis atrelados à Selic diminuíram a fatia, de 20,21% para 20,15%.

Os títulos remunerados pela inflação caíram para 32,62% do estoque da DPF em junho, ante 32,85% em maio. Os papéis cambiais tiveram a participação reduzida de 5,01% em maio para 4,71% em junho.

Todos os papéis estão dentro das metas do PAF de 2015. O intervalo do objetivo perseguido pelo Tesouro para títulos prefixados é entre 40% e 44%. Para os títulos remunerados pela Selic vai de 17% a 22%. No caso dos que têm índices de preço como referência, a meta é de 33% a 37% e, no de câmbio, de 4% a 6%.