O presidente do Banco Central (BC), Alexandre Tombini, afirmou nesta sexta-feira que começará no dia 1.º de outubro deste ano a implementação do Acordo de Basileia 3 no Brasil, que seguirá o cronograma internacional, com conclusão prevista para 1º de janeiro de 2022.

Segundo ele, Basileia 3 representa a principal resposta regulatória internacional à crise financeira de 2008 e tem por objetivo central fornecer uma base de capital mais robusta para a expansão sustentável do crédito, aumentar a capacidade das instituições financeiras de absorver choques e reduzir o risco de contágio do setor financeiro sobre o setor real da economia. “Em última análise, Basileia 3 visa auxiliar a manutenção da estabilidade”, destacou.

“É um acordo técnico complexo, mas, no fundo, inspira-se no bom senso: qualquer banco para ser seguro para os seus clientes (famílias e empresas) precisa ter capital, provisões e liquidez suficientes para enfrentar situações de crise sem necessidade de ser resgatado pelo poder público”, afirmou Tombini.

Segundo o presidente do Banco Central, Basileia 3 melhora a aferição das exposições a riscos, eleva a quantidade e qualidade do capital, e “busca mitigar a pró-ciclicidade e a interconectividade” do sistema financeiro. Ele fez os comentários na abertura do 8º Seminário Anual sobre Riscos, Estabilidade Financeira e Economia Bancária realizado pela autoridade monetária.