Uma nova rodada de negociação entre trabalhadores em cooperativas e dirigentes da Ocepar está marcada para o dia 9 de junho, em Cascavel. Na reunião ocorrida ontem em Curitiba, não houve nenhum acordo na discussão dos itens econômicos da pauta de reivindicação, aprovada no congresso estadual realizado no dia 7 de maio na capital, e que reuniu mais de três mil trabalhadores. A data-base da categoria é 1.º de junho.

Os trabalhadores, entre outros itens, estão pedindo piso salarial de R$ 700,00, reajuste salarial de 12,5% e o fim do banco de horas nas cooperativas do Estado, vale-alimentação e cesta básica. Na avaliação do vice-presidente da Federação dos Trabalhadores em Cooperativas no Estado do Paraná (Fetracoop), Clair Spanhol, apesar do clima amistoso da primeira reunião, há um grande distanciamento das propostas apresentada pelos trabalhadores com as da Ocepar. ?Só em alguns itens menos polêmicos relacionados a questões sociais, de medicina e segurança no trabalho, conseguimos um consenso?, disse. Na opinião do sindicalista, na reunião ?debateu-se a perfumaria e não a essência do perfume. Os itens econômicos que são essência da pauta de reivindicações serão debatidos na próxima rodada?.

Spanhol explicou ainda que os trabalhadores pretendem definir até o dia 25 de junho a campanha salarial deste ano. Segundo ele, após a reunião do dia 9 de junho em Cascavel, a Fetracoop e os sindicatos filiados realizarão assembléia para definir se aceitam ou não a proposta que os empresários devem apresentar.