O primeiro-ministro da Grécia, Alexis Tsipras, anunciou um avanço nas negociações da nova rodada do resgate financeiro.

“Após seis anos de cortes contínuos, más notícias e forte austeridade, nós finalmente tivemos algumas boas notícias”, disse Tsipras em um discurso televisionado. Em sua fala, ele afirmou que a Grécia iria conseguir um novo empréstimo sem ter que legislar sobre medidas adicionais de austeridade.

“A Grécia não está mais isolada e sozinha. Ela tem o apoio de políticos e governos que finalmente reconheceram que o país e seu povo tem o direito de virar a página”, disse Tsipras em seu discurso.

Ministros de finanças da Europa também sinalizaram progressos nas negociações após a reunião de ontem, em Bruxelas. Autoridades que participaram das negociações esperam atingir um compromisso na próxima reunião ministerial, em 24 de maio.

Um dos maiores avanços da reunião de ontem, em Bruxelas, veio da Alemanha, Após insistir por bastante tempo que a Grécia não precisa de um perdão da dívida e que o tópico não deveria ser discutido até que Atenas cumpra todas as medidas de austeridade impostas pelos credores, o ministro das finanças da Alemanha, Wolfgang Schäuble, fez uma concessão chave ao FMI e outros governos europeus ao permitir a discussão de uma renegociação da dívida.

Apesar do recuo, a Alemanha ainda não concordou com nenhuma medida de alívio financeiro. Já o FMI também recuaram de outra reivindicação e acolheram parcialmente a proposta de Atenas de cortes adicionais em caso de fracasso ao atingir metas fiscais. O fundo desistiu de sua demanda para que esses cortes adicionais de 2% do Produto Interno Bruto (PIB) – que se somariam aos cortes de 3% do PIB e aumentos de tributos, já aprovados pelo Parlamento grego – fossem aprovados por lei. Neste caso também, muitas diferenças persistem, alertam alguns negociadores.

Fonte: Dow Jones Newswires.