Salão realizado pela Abav-PR em Curitiba
é o segundo maior do Sul do País.

O 10.º Salão de Turismo da Abav-PR, segundo maior evento do setor no Sul do País, deve gerar mais de R$ 140 milhões em negócios nos próximos meses. É esta a expectativa dos organizadores do evento que começou ontem em Curitiba e se encerra hoje. O 10.º Salão acontece no Estação Convention Center, no Shopping Estação, e reúne cerca de 300 expositores, entre operadoras de turismo, companhias aéreas, hotéis, locadoras de veículos e outros. A expectativa é atrair cerca de 5 mil visitantes nos dois dias de evento.

“Esse número (R$ 140 milhões) também nos impressiona. Mas mostra a força que o turismo tem e que nós mesmos desconhecemos”, afirmou Joel Duarte, presidente da Associação Brasileira de Agências de Viagens do Paraná (Abav-PR). As cifras foram calculadas a partir das expectativas de uma amostragem de 36 empresas expositoras. A estimativa é que cada expositor tenha incremento de R$ 40 mil a R$ 50 mil por mês, nos próximos 12 meses, por conta de negócios gerados durante o evento.

Mercosul

Uma das novidades este ano é o 1.º Salão Regional de Negócios em Turismo para o Mercosul. “A idéia é fazer com que Curitiba se transforme na capital do Mercosul”, explicou Duarte. “A Europa dá certo porque é um bloco de países que se visita entre si. A idéia é criar uma marca, uma grife”, acrescentou. Para o secretário estadual de Turismo, Celso de Sousa Caron, “países do Mercosul têm potencial turístico fantástico, mas pouco explorado”. “A gente sempre subjulgou nossos vizinhos”, admitiu Duarte.

Sobre a situação do turismo no cenário nacional, Duarte criticou a política econômica do governo federal – “o espetáculo do crescimento ainda não aconteceu”, afirmou – e a taxa cambial. “O dólar ?fixado? em R$ 2,90 é muito alto para quem vai para fora do país. Por outro lado, é altamente favorável para quem vem do exterior para o Brasil”, analisou. Segundo ele, a política brasileira é uma, e a regional, outra. “Temos que nos agarrar aos nossos vizinhos”, disse, referindo-se ao incentivo do turismo entre os países do Mercosul.

O presidente da Abav-PR também criticou a pesada carga tributária. “As agências de viagens que não estão no Simples – sistema simplificado de impostos – estão inviabilizadas financeiramente”, afirmou. Em todo o Paraná há cerca de 760 agências de viagens, a metade delas em Curitiba. De acordo com o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Paraná (Abih-PR), Henrique Lenz César Filho, a situação da hotelaria não é diferente. “Os hotéis estão sofrendo barbaridade com o aumento da alíquota do Cofins, de 3,6% para 7,62%”, afirmou. “O governo brasileiro nos força à ilegalidade e à sonegação.”

PR recebeu 6,2 milhões de turistas

O Paraná recebeu no ano passado 6,2 milhões de turistas, segundo dados da secretaria estadual de Turismo. Em 2002, haviam sido 5,5 milhões. A maior parte deles (48%) é proveniente do próprio Estado, 32% de outros Estados e 20% estrangeiros. A receita gerada foi de aproximadamente R$ 1,1 bilhão em 2003.

De acordo com o diretor da Abav-PR regional Foz do Iguaçu, Felipe Gonzáles, o número de turistas poderia ser bem maior caso houvesse mudanças na malha viária, por exemplo. “Tudo afunila em São Paulo. Se alguém do Centro-Oeste quer ir a Foz do Iguaçu, por exemplo, tem que passar por São Paulo, o que deixa a tarifa aérea mais cara”, afirmou.

Um dos projetos do Ministério do Turismo é que os Estados passem a ser divididos em regiões, para que assim possam explorar melhor os pontos turísticos. No início, segundo o secretário Celso Caron, eram 18 regiões definidas no Paraná, que já foram reduzidas para nove. De acordo com o secretário, é um trabalho de médio e longo prazo que deverá ser anunciado em breve pela política nacional.

No estande do Paraná, uma das novidades este ano é a divulgação da Rota dos Tropeiros – produto que deverá ser apresentado ao governo federal como destino turístico, ao lado do litoral paranaense e região dos Campos Gerais.