A União Europeia piorou as projeções econômicas para a Grécia e para Irlanda em seu relatório de projeções de outono, mas melhorou as estimativas para Portugal.

A Comissão Europeia projetou que a dívida da Grécia alcançará a marca de 176,2% do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano, de 175,2% no relatório divulgado em maio. Os números da dívida também pioraram para o próximo ano. Embora a dívida deva cair para 175,9% do PIB, a projeção é maior que os 170,9% estimados anteriormente.

A taxa de desemprego grega deve atingir 27% neste ano e recuar para 26% em 2014 e 24% em 2015. A Comissão Europeia não alterou a projeção de crescimento do PIB grego para o próximo ano, de 0,6%.

O cenário traçado para a Irlanda também foi mais pessimista, ficando abaixo das projeções da troica – grupo formado por Comissão Europeia, Fundo Monetário Internacional e Banco Central Europeu.

O PIB irlandês deve crescer 0,3% neste ano e 1,7% no próximo. As estimativas de maio indicavam um crescimento de 1,1% em 2014 e de 2,2% em 2014, enquanto as projeções da troica são de uma alta de 0,6% e de 1,8%, respectivamente. No entanto, a Comissão Europeia prevê que a Irlanda alcançará as metas orçamentárias deste ano e em 2014 e reduzirá o déficit orçamentário para 3% do PIB em 2015.

Ainda entre os países que estão recebendo programas internacionais de resgate, o cenário traçado pela Comissão Europeia para Portugal melhorou ligeiramente, após um crescimento mais forte que o esperado no segundo trimestre. O PIB português deve contrair 1,8% neste ano, de 2,3% na projeção de maio. Para 2014, a estimativa é que o PIB avance 0,8%, de 0,6% na projeção anterior, e acelere para 1,5% em 2015.

Os números refletem o impacto do crescimento acima do esperado no segundo trimestre, quando a economia foi impulsionada por fatores extraordinários, disse a Comissão Europeia. Portugal deve alcançar as metas de déficit de 4,0% do PIB em 2014 e de 2,5% em 2015, mostrou o relatório, mas a Comissão Europeia alertou que há grandes riscos para as projeções econômicas e fiscais.

Entre os riscos está uma possível rejeição das medidas de redução de gastos pelo tribunal constitucional e a necessidade de retomar o acesso ao mercado quando o programa de resgate terminar, em meados de 2014.

A Comissão Europeia não alterou suas projeções para o Chipre. A expectativa é que a economia cipriota recue 8,7% neste ano e 3,9% no próximo, mas a recessão deve chegar ao fim em 2015, com uma retomada na demanda doméstica. A dívida do Chipre deve alcançar 116% do PIB em 2013 e 124,4% em 2014, informou o relatório. Com informações da Dow Jones Newswires e da Market News International.