A Comissão Europeia vai propor que a União Europeia emita bônus para financiar projetos econômicos específicos, mas não bônus da zona do euro para financiamento geral dos países, afirmou hoje o comissário de serviços financeiros da UE, Michel Barnier, em uma entrevista à rádio BFM.

Barnier disse que bônus da zona do euro, para cobrir obrigações de todo o bloco, tanto de membros fortes como fracos, são uma boa ideia, mas que “esse não é necessariamente o momento certo” para discutir o assunto. “A Comissão Europeia fará uma proposta, não de eurobônus, mas de ‘bônus de projetos’, ou seja, bônus emitidos para projetos e investimentos específicos”, comentou.

O comissário citou como exemplo o uso que a França fez no ano passado de um “grande empréstimo”, para financiar pesquisas, universidades e outras áreas, visando melhorar a competitividade do país. Mas ele não deu detalhes sobre uma possível data de emissão ou quantidade desses “bônus de projeto”, que estão sendo estudados desde fevereiro.

Os eurobônus, que substituiriam os bônus emitidos individualmente por cada país, são criticados pela Alemanha, que alega que eles não podem ser nem cogitados até que a UE como um todo siga regras rígidas sobre o equilíbrio das finanças públicas.

O governo alemão acredita que os eurobônus, na prática, significariam que o país teria de ajudar membros mais fracos do bloco (como Grécia, Portugal e Irlanda) a conseguir financiamentos mais baratos, permitindo que eles mantenham suas contas desajustadas. As informações são da Dow Jones.