Os preços do etanol devem continuar recuando nos próximos dias até a entrada da próxima safra brasileira de cana, já no final de março, de acordo com o diretor técnico da União da Indústria de cana-de-açúcar (Unica), Antonio de Pádua Rodrigues. Segundo ele, a queda de mais de R$ 0,30 que já foi registrada ao produtor no último mês não foi repassada pelas distribuidoras em sua totalidade. “Se isto fosse repassado, o etanol estaria ainda mais competitivo nos postos”, disse.

O etanol já está tão competitivo quanto a gasolina nos postos da capital paulista, mas no interior do Estado abastecer com etanol já está mais vantajoso. O executivo explica que esta queda ao produtor está sendo registrada em razão do que sobrou por conta da troca do etanol para gasolina no período em que os preços estavam muito elevados.

“O mecanismo de controle que é o carro flex foi perfeito. Quando os preços subiram muito por falta de etanol, os consumidores migraram para a gasolina. Com o passar do tempo, o etanol que não foi consumido acabou gerando uma oferta que agora deprime as cotações”, disse. E segundo dados da Unica, o consumo de hidratado em fevereiro ficou abaixo de 1 bilhão de litros, uma queda de 50% ante a média de consumo mensal durante os meses em que o etanol estava competitivo, de 1,5 bilhão de litros por mês.

Pádua afirma também que o fato da entrada da safra estar se aproximando também contribui para que as empresas que tinham estoques comecem a vender agora o produto estocado. “As empresas tem que vender seus estoques antes da pressão da entrada da safra”, explica.

Até a semana passada, de acordo com dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o etanol apenas estava competitivo em relação a gasolina nos Estados de Goiás e Mato Grosso. A partir desta semana, o etanol deve voltar a ser competitivo em São Paulo também. Os dados consolidados da ANP são divulgados na sexta-feira.