A Usina Santa Clara, localizada no Rio Jordão, região Centro-Sul do Paraná, entre os municípios de Pinhão e Candói, já opera com toda a sua capacidade de 120 megawatts e estará pronta para ser inaugurada no final do mês.

Nesta semana, a Agência Nacional de Energia Elétrica autorizou o início de produção comercial do segundo grupo gerador de 60 megawatts da hidrelétrica um mês depois da liberação do primeiro conjunto e cumprindo pontualmente o cronograma estabelecido para a obra. Também está concluída e autorizada a operar a pequena central hidrelétrica de 3,4 megawatts construída junto à barragem para aproveitar a vazão que deve ser mantida no leito do rio entre aquela estrutura e o canal de fuga da casa de força.

Toda a potência disponível de Santa Clara suficiente para atender ao consumo de uma cidade com 300 mil habitantes já está sendo adicionada ao sistema elétrico da Copel e distribuída para a população paranaense. ?É um reforço considerável para a sustentação do processo de crescimento do Estado?, avalia o presidente da Copel, Rubens Ghilardi. ?Sob o ponto de vista da oferta de eletricidade, o Paraná continuará sendo a melhor alternativa para sediar novos empreendimentos.?

Complexo

Santa Clara integra um complexo energético que soma 245,9 megawatts e aproveita o potencial do Rio Jordão, na região dos Campos de Guarapuava. Dele faz parte a Usina Fundão, também com 120 megawatts de potência, que começa a operar no próximo ano.

A concessão para construção e exploração dos aproveitamentos é da Elejor Centrais Elétricas do Rio Jordão, empresa controlada pelo governo do Paraná através da Copel, que nela detém participação de 70%. Nesse conjunto de obras estão sendo investidos cerca de R$ 480 milhões.