Animadas com os novos rumos do setor sucroalcooleiro, as usinas e destilarias paranaenses decidiram desengavetar projetos de investimento e anunciam que planejam destinar R$ 1,8 bilhão, nos próximos anos, na expansão da atividade, compreendendo desde ampliações e modernização industrial a aumento da área cultivada com cana-de-açúcar.

Os investimentos possibilitarão ao setor aumentar a produção de cana-de-açúcar, álcool e açúcar. Só os canaviais deverão ter uma expansão em mais de 150 mil hectares, pouco menos da metade da área cultivada atualmente (362 mil hectares), o que significará um acréscimo de 12,750 milhões de toneladas de matéria-prima. Por sua vez, o número de empregos será acrescido de mais 16 mil diretos e 45 mil indiretos.

Na próxima segunda-feira, às 15h30, o governador Roberto Requião presidirá solenidade no Palácio Iguaçu com a presença de dirigentes da Alcopar (Associação de Produtores de Álcool e Açúcar do Estado do Paraná) e representantes de todas as usinas e destilarias, para o lançamento oficial do programa de expansão, conforme decreto estadual.

No dia 22, o governador Requião, acompanhado de uma comitiva do setor, deverá estar no Rio de Janeiro para a formalização de financiamento de R$ 1 bilhão junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento do Extremo-Sul (BNDES). Os restantes R$ 800 milhões serão provenientes de recursos próprios. Do total de recursos, R$ 1,03 bilhão serão investidos na área agrícola e R$ 787 milhões nas indústrias, incluindo programas de cogeração de energia.

Na safra em andamento (2004/05), o Paraná deverá colher 28,5 milhões de toneladas de cana-de-açúcar, produzir 1,2 bilhão de litros de álcool e 1,85 milhão de toneladas de açúcar.

Indicadores

Na próxima segunda-feira, às 10h30, na sala Homero Barros, da Reitoria, o Departamento de Economia da Universidade Federal do Paraná (UFPR), reúne-se com dirigentes do setor sucroalcooleiro para o lançamento dos indicadores econômicos que irão nortear os preços dos derivados da cana-de-açúcar no Estado (especificamente açúcar e álcool). De acordo com a UFPR, a proposta é disponibilizar uma nova ferramenta que possibilite aos setores interessados a transparência na flutuação e da volatilidade dos preços, facilitando com isso o relacionamento entre clientes e produtores.