A atividade varejista mostrou estabilidade em setembro, após sete meses consecutivos de crescimento, segundo o Indicador Serasa Experian de Atividade do Comércio. A expectativa da entidade, no entanto, é de que o comércio volte a registrar taxas mensais de crescimento, ainda que menos intensas do que a média registrada no período de maio a agosto, de 1,1%.

Isso por causa do fim do ciclo de relaxamento monetário e retirada dos estímulos fiscais anticrise. Na comparação com setembro de 2008, a atividade varejista mostrou elevação de 5,6%, a segunda maior taxa do ano, perdendo apenas para agosto de 2009, quando o avanço foi de 6,3%. No acumulado do ano, o indicador registra avanço de 4,4%, liderado pelo setor de móveis, eletroeletrônicos e informática, que cresceu 10,1%.

Dentre os segmentos pesquisados, o destaque positivo foi o de veículos, motos e peças, cujo movimento avançou 6,5% em setembro ante agosto, impulsionado pela proximidade do fim dos estímulos fiscais. O segmento de combustíveis e lubrificantes cresceu 1% e o de supermercados, hipermercados, alimentos e bebidas, 0,1%. Já o segmento de móveis, eletroeletrônicos e informática registrou queda de 0,6%; lojas de material de construção tiveram baixas de 0,3% e tecidos, vestuário, calçados e acessórios registrou queda de 2,1%.