As vendas de produtos siderúrgicos ao mercado brasileiro caíram 22% em julho deste ano na comparação com igual mês do ano passado, atingindo 1,4 milhão de toneladas, informou nesta terça-feira, 18, o Instituto Aço Brasil (IABr). No acumulado do ano até julho, as vendas atingiram 11 milhões de toneladas, redução de 14,3% na comparação com o mesmo período do ano anterior.

O consumo aparente nacional em julho foi de 1,7 milhão de toneladas de produtos siderúrgicos, totalizando 13,4 milhões de toneladas no período de janeiro a julho deste ano. Esses volumes representaram queda de 24,4% e 12,4%, respectivamente, em relação aos mesmos períodos do ano anterior.

As importações no setor caíram. Em julho, elas retraíram 33,8%, para 270,4 mil toneladas. No acumulado em sete meses, foram 2,3 milhões de toneladas de produtos siderúrgicos importados, queda de 2,2% em relação ao mesmo período de 2014.

As exportações de produtos siderúrgicos em julho atingiram 1,5 milhão de toneladas, no valor de US$ 652 milhões. O aumento é de 63% em volume, apesar de queda de 0,2% em valor (dólares FOB).

As exportações no acumulado do ano até julho totalizaram 7,2 milhões de toneladas, equivalentes a US$ 3,9 bilhões. O crescimento é de 49,2% em volume e de 10,3% em valor, quando comparados ao mesmo período do ano anterior.

O IABr credita o resultado a operações intercompany de fornecimento de semiacabados para alimentar unidades na Europa e nos EUA, e, também, a ações emergenciais do setor para evitar redução ainda maior do grau de utilização da capacidade instalada.

A produção brasileira de aço bruto, em julho de 2015, foi de 2,9 milhões de toneladas, queda de 3,1% quando comparada ao mesmo mês em 2014. Em relação aos laminados, a produção no mês, de 1,9 milhão de toneladas, apresentou queda de 8,6% quando comparada a julho do ano anterior.

Com esses resultados, a produção acumulada nos sete primeiros meses de 2015 totalizou 20,0 milhões de toneladas de aço bruto e 13,9 milhões de toneladas de laminados, aumento de 1,2% e queda de 5,4%, respectivamente, sobre os mesmos períodos de 2014.