Arquivo / O Estado

Atividade industrial parece
ter posto "pé no freio".

O faturamento da indústria paranaense cresceu 7,53% em junho, em relação a maio. O bom resultado foi puxado pelo crescimento das vendas realizadas dentro do Paraná e para outros estados brasileiros. No semestre, contudo, as vendas do setor industrial do Estado aumentaram apenas 2,15%, na comparação com o mesmo período de 2004. Os dados são da pesquisa Análise Conjuntural, elaborada pelo Departamento Econômico da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep) e divulgada ontem.

Segundo a avaliação da Fiep, no primeiro semestre o ritmo das vendas das indústrias do Paraná foi afetado pela contínua elevação da taxa de juros, pelas quedas do dólar e do faturamento dos produtos agrícolas. Por causa destes fatores, o Departamento Econômico da federação aponta que nos últimos dois meses aconteceu uma acomodação da atividade industrial.

?Sempre que há uma crise política, ela afeta a atividade econômica. Além do cenário conturbado no campo institucional, a política econômica não contribui para alavancar o desempenho do setor produtivo. O governo precisa criar condições para que os empresários voltem a investir e acreditar no crescimento do país. Isso não acontecerá enquanto a taxa de juros se mantiver em patamares tão elevados?, avalia o presidente da Fiep, Rodrigo da Rocha Loures.

Resultados

Segundo o coordenador do Departamento Econômico da Fiep, Maurílio Schmitt, em junho vendas industriais aumentaram 12,72% dentro do Paraná e 7,40% no Brasil. Também houve alta de 0,77% no faturamento com a exportação, menos significativo em função do câmbio menor em relação a 2004. ?Caso a moeda americana estivesse no mesmo patamar do ano passado, o faturamento poderia ser maior neste semestre, pois o volume de produtos industrializados continua crescendo?, explica Schmitt.

No acumulado do ano, o faturamento gerado pela exportação aumentou 11,09%, sobre o mesmo período de 2004. Ao mesmo tempo, houve retração de 3,64% nas vendas para outros estados brasileiros e crescimento de 3,06% nas vendas dentro do Paraná. Dos dezoito itens pesquisados, oito contribuíram para alta no faturamento industrial (Veja quadro) neste semestre de 2005.

Emprego

Em junho, a indústria paranaense gerou 7,6 mil novas vagas de trabalho (1,26%) sobre o mês de maio. Produtos Alimentares (2,92%), Química (2,88%) e Bebidas (2,83%) foram setores que mais aumentaram seus quadros.

Os setores com maiores declínios foram Material Elétrico e de Comunicações (4,55%), Têxtil (3,43%) e Couros, Peles e Produtos Similares (2,85%). Segundo Maurílio Schmitt, estes segmentos passam por reestruturações. Em junho, capacidade instalada subiu dois pontos, ficando 79%, enquanto as horas trabalhadas caíram 2,44%. Em relação a maio, a massa salarial líquida dos trabalhadores da indústria caiu 0,61%, por causa do pagamento de participação de resultados e abonos concedidos no mês anterior.