As vendas do comércio varejista no Brasil fecharam 2010 com alta de 10,9%, informou hoje o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Este é o melhor resultado desde 2001. Em 2009, de acordo com os dados do instituto, a alta acumulada havia sido de 5,9%.

Em dezembro, as vendas ficaram estáveis em relação a novembro. O resultado mensal veio no piso do intervalo das estimativas dos analistas, que esperavam de estabilidade a um aumento de 1,80%. A mediana das previsões estava em alta de 0,30%. Na comparação com dezembro de 2009, as vendas do varejo subiram 10,1% em dezembro do ano passado. Neste caso, as projeções variavam de 9 10% a 13,50%, com mediana de 11%. O índice de média móvel trimestral das vendas do comércio varejista subiu 0,28% no trimestre encerrado em dezembro, ante o terminado em novembro, segundo o IBGE.

Receita nominal

A receita nominal das vendas do comércio varejista subiu 1,0% em dezembro ante novembro. Na comparação com dezembro de 2009, a receita nominal das vendas do comércio cresceu 15,6% em dezembro do ano passado. O IBGE informou ainda que, com o resultado de dezembro, a receita nominal encerrou o ano de 2010 em alta de 14 5% em relação a 2009.

PR apresenta queda

Por unidades da Federação, os resultados com ajuste sazonal para o volume de vendas apontam, na comparação mês/mês anterior, 16 (dezesseis) estados com variações positivas e 11 (onze) com queda. Os principais acréscimos ocorreram em Roraima (3,8%); Acre (3,7%) e Piauí (2,0%). Já as principais quedas se estabeleceram no Amapá (-1,9%); Bahia (-1,4%); Alagoas (-1,3); Paraná (-1,3%).

Ainda no corte regional, todas as 27 Unidades da Federação obtiveram resultados positivos no volume de vendas na comparação dezembro 10/dezembro 09, com as variações de maior magnitude se estabelecendo em Tocantins (71,5%); Rondônia (23,0%); Acre (20,1%); Paraíba (16,1%) e Maranhão (15,8%). Quanto à participação na composição da taxa do Comércio varejista, os destaques, pela ordem, foram São Paulo (9,8%); Rio de Janeiro (11,7%); Minas Gerais (12,2%); Rio Grande do Sul (11,0%) e Santa Catarina (9,3%).

Para o comércio varejista ampliado, as maiores taxas mensais de desempenho no volume de vendas ocorreram em Tocantins (44,7%); Acre (35,2%); Rondônia (27,9%); Espírito Santo (25,3%) e Goiás (21,6%). Em termos de impacto no resultado global do setor, os destaques foram São Paulo (12,8%); Minas Gerais (19,8%); Rio de Janeiro (14,1%); Paraná (16,1%) e Rio Grande do Sul (13,6%).