Rio  – O movimento retraído no comércio não abalou as lojas virtuais. Pelo contrário, as vendas pela internet devem crescer 33% e chegar a R$ 1,2 bilhão este ano, segundo estimativas das empresas do setor. O consumidor brasileiro gostou da comodidade e passou a comprar pelos “sites”, onde há ofertas, às vezes, melhores do que as das lojas normais. Mas a praticidade da operação não deve dispensar a pesquisa dos preços, que chegam a variar em até 117% nas vitrines virtuais. Um exemplo é a câmera digital Power Shot Canon, encontrada de R$ 918 até R$ 1.999.

Na linha de eletrodomésticos, a dispersão também é grande, segundo apuração feita pelo site de pesquisa Bondfaro. O aparelho de ar-condicionado é visto por R$ 795 e R$ 1.299 – 63,4% mais caro. Nas seções de brinquedos, as diferenças chegam a 50%; na de livros, a 78%; e na de CDs, a até 106%.

– O comércio eletrônico já faz parte do cotidiano do consumidor brasileiro. Mas assim como ele peregrina nas lojas para ver o melhor preço, na internet a pesquisa também é importante para evitar prejuízos na compra – alertou Guilherme Pacheco, diretor da Bondfaro, que registra cerca de três milhões de preços por mês em 300 lojas virtuais.

O “boom” de compras é esperado para o período natalino e, na disputa por clientes, as armas dos sites são o pagamento em dez e até 12 vezes sem juros, frete grátis e entrega em dois dias na mesma cidade. Com o estímulo do décimo-terceiro, o tíquete médio já melhorou: passou de R$ 284 para R$ 310 em outubro. Na última apuração, o Bondfaro registrou crescimento de 55% na procura de câmaras digitais, que devem ser as vedetes no rol de presentes no Natal.

Mas a busca de artigos eletrônicos não é restrita a jovens internautas. A compra virtual já atrai consumidores idosos. Como a aposentada Eugênia Bella Cruz, 82 anos, que diariamente navega pelos sites de venda para ver as melhores ofertas. É quase uma tarefa diária após o passeio matinal a pé ou de bicicleta pelas ruas de Ipanema. E, recentemente, comprou um gravador de CD para presentear o neto.

O “site” de vendas da Americanas.com vem dando forte contribuição para a melhoria do faturamento do grupo. O movimento virtual saltou de R$ 81 milhões para R$ 170 milhões de 2001 para 2002. E já chegou a R$ 166 milhões até setembro deste ano – um aumento de 66% sobre o mesmo período de 2002. Os artigos mais vendidos são CDs, DVDs, câmaras digitais, livros, celulares e aparelhos de som para carro.