O México deve substituir o Mercosul em termos de trocas comerciais, disse hoje (5) o ministro das Relações Exteriores, Celso Lafer. Enquanto as vendas do Brasil para o bloco recuaram em mais de US$ 1 bilhão entre 2000 e 2001, por conta da crise na Argentina e no Uruguai, as exportações para o México devem crescer na mesma proporção. No mês passado, o Brasil fechou um acordo de preferências tarifárias com o México e no fim de agosto uma comitiva formada pelo ministro do Desenvolvimento, Sérgio Amaral, e 55 empresários viajam ao país para negociar um acordo de livre comércio.

Segundo informações do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, só em automóveis o México deverá absorver, em 12 meses, 140 mil unidades do Brasil, com tarifa inicial de importação de 1%. ?Trata-se de uma grande oportunidade para o México, que quer se abrir para outros parceiros além do Nafta (Acordo de Livre Comércio da América do Norte)?, afirmou o ministro.

Lafer ressaltou que o governo também está se esforçando para abrir mercados para as exportações. Entre os prioritários estão Venezuela, Chile, África do Sul, Índia e China.