A Wärtsilä, empresa da Finlândia fornecedora de equipamentos navais para construtores e operadores de embarcações e instalações offshore e que também atua no setor de energia, vê oportunidades de negócios com a Petrobras em áreas em que construtoras foram vetadas de participar pela petroleira por causa das investigações da operação Lava Jato, afirmou o presidente da companhia, Robson Campos.

A Wärtsilä já procurou a petroleira para apresentar projetos e serviços. “Estamos de olho nisso. Já batemos na porta da Petrobras”, disse o executivo, ressaltando que já houve conversas com a petroleira.

A Wärtsilä não concorre diretamente com as construtoras envolvidas na Lava Jato, ressaltou Campos, mas ele destacou que a companhia opera em alguns segmentos, como construção de módulos de geração, construção de plantas, termelétricas e terminais de regaseificação que podem ser de interesse da Petrobras.

Para as operações no Brasil em 2015, em meio ao ajuste na economia e à desaceleração da atividade, a previsão da Wärtsilä é de crescimento praticamente zero. A expectativa é de manutenção do faturamento no nível de 2014. “Será um ano de ajuste no País preparando-se para 2016”, afirmou. No ano passado, a expansão foi de dois dígitos, na casa dos 14%.

“Existe um misto de desânimo com esperança”, disse o executivo ao falar do Brasil e do setor de petróleo. O preço do petróleo não deve ficar no atual patamar durante muito tempo, mas também não volta ao nível acima de US$ 100 no curto prazo. “O mercado vê com esperança a 13ª rodada dos leilões de concessão de petróleo e gás”, afirmou, ressaltando que o desânimo do mercado deve ser temporário.

A sede do grupo na Finlândia tem mostrado preocupação com o Brasil. O presidente global esteve no Rio de Janeiro no começo do ano e, segundo o executivo, saiu mais preocupado do País do que quando chegou.