O membro do Conselho do Banco Central Europeu (BCE) e presidente do banco central francês, Christian Noyer, afirmou neste sábado que, caso haja um relaxamento das políticas para redução do déficit fiscal, os países da zona do euro correm o risco de pagar uma taxa de juros mais elevada.

“O equilíbrio é frágil. Acumulamos décadas de déficits e se a trajetória para o orçamento for mais frouxa, tal medida será paga com taxas de empréstimos muito mais elevadas”, disse ele.

Noyer, que participou da conferência Rencontres Economiques, criticou os países que utilizam a baixa taxa de juros para elevar a dívida e investir na economia, numa tentativa de impulsionar o crescimento interno. “A triste realidade é que nenhum país possui credibilidade suficiente para adotar essa estratégia”, explicou.

Em discurso, Noyer reafirmou ainda que, apesar da inflação permanecer em patamares mínimos na zona do euro, não há riso de deflação. “O risco de deflação parece ter sido evitado, ainda temos aumento de preços que são muito baixos”, declarou. Fonte: Dow Jones Newswires.