A zona do euro apresentou um déficit comercial maior do que o esperado em maio, já que as importações aumentaram mais rapidamente do que as exportações. A Eurostat, agência de estatísticas da União Europeia, informou que os 16 países que usam a moeda única tiveram um déficit combinado de 3,4 bilhões de euros, depois de um superávit de 300 milhões de euros em abril, dado que foi revisado para baixo em relação à estimativa anterior, de 1,8 bilhão de euros. Os economistas previam déficit de 500 milhões de euros. Em maio do ano passado, a zona do euro havia obtido superávit comercial de 2,2 bilhões de euros.

Os dados mostram que os fluxos comerciais envolvendo os países da zona do euro aumentaram fortemente desde o ano passado, quando foram paralisados em resposta a intensificação da crise financeira e à recessão global. Em maio, as exportações somaram 122,6 bilhões de euros, 23% acima do total do mesmo mês do ano passado, enquanto as importações alcançaram 126 bilhões de euros, com aumento de 30% sobre o total de maio de 2009. O crescimento das importações em grande parte refletiu o aumento do custo, em euros, das compras externas de energia.

Dados ajustados sazonalmente mostraram que as exportações aumentaram 1,6% de abril para maio, mas num ritmo menor do que o das importações, que cresceram 4,2% na mesma comparação. Em bases ajustadas sazonalmente, a zona do euro teve déficit comercial de 3 bilhões de euros, o primeiro desde o início do ano.

Os dados da balança comercial sugerem que o comércio pode não contribuir muito para o crescimento da zona do euro, a despeito da desvalorização da moeda única em relação às outras principais divisas. Contudo, ainda há poucos sinais de alta sustentada na demanda doméstica e, particularmente, nos gastos dos consumidores.

A Alemanha continuou a ter de longe o maior superávit comercial da zona do euro. Nos primeiros quatro meses do ano, o país exportou 50,5 bilhões de euros acima do que importou, ficando com um saldo que é 36,8 bilhões de euros acima do obtido no mesmo período do ano passado. Por outro lado, o déficit da Espanha nos primeiros quatro meses ficou em 17,2 bilhões de euros, apenas um pouco abaixo dos 17,5 bilhões de euros do mesmo período de 2009, enquanto a Grécia teve déficit de 8,9 bilhões de euros, abaixo dos 9,6 bilhões de euros de igual intervalo do ano passado. Já o déficit de Portugal no primeiro quadrimestre subiu para 6,2 bilhões de euros, de 6 bilhões de euros no mesmo período de 2009, enquanto o déficit da Itália subiu de 5 bilhões de euros para 9,3 bilhões de euros na mesma comparação. As informações são da Dow Jones.