As necessidades educacionais especiais apresentadas por crianças que freqüentam os Centros Municipais de Educação Infantil (CMEIs) e os Centros de Educação Infantil Conveniados são o tema do curso à distância que a Prefeitura de Curitiba está oferecendo para 135 profissionais que atuam com crianças de 0 a 6 anos. As aulas iniciadas nesta semana, seguem até dezembro, em encontros divididos por módulos que, somados, chegam a 104 horas de qualificação.

Organizado pela Secretaria Municipal da Educação, o curso faz parte do Programa de Qualificação Profissional e tem três módulos distribuídos em seis diferentes temas que envolvem a educação inclusiva na Educação Infantil.

"Foi um curso montado a partir do perfil dos educadores, levando em consideração uma nova cultura frente ao processo de construção do conhecimento", disse o diretor do departamento de Tecnologia e Difusão Educacional da Secretaria Municipal da Educação, Ricardo Antunes de Sá.

Segundo Ricardo, a estrutura e organização do curso permitirão que os educadores que atuam nas creches em período integral possam, no período noturno, dar continuidade ao seu processo de qualificação profissional.

"A educação à distância requer um novo perfil de aluno que deve desenvolver hábitos e disciplina para seu aprimoramento profissional", disse Ricardo ao salientar que, além dos encontros presenciais, os participantes do curso poderão receber por telefone, orientações fornecidas por uma equipe de tutores do departamento de Educação Infantil.

O curso está dividido em 24 horas presenciais, em seis encontros noturnos que serão realizados no Centro de Capacitação dos Professores. Outras oito horas serão destinadas para a tutoria. Outras 72 horas serão destinadas a leituras, desenvolvimento de pesquisa, elaboração e desenvolvimento de projetos e estudo das apostilas, especialmente desenvolvidas por equipes da Secretaria Municipal da Educação.

Primeira infância

A proposta do curso é conciliar a teoria com a vivência da prática pedagógica. "A primeira infância é o primeiro estágio de desenvolvimento físico, mental, social e afetivo da criança", afirma a docente Jaqueline dos Santos Rodrigues.

Jaqueline pertence ao Departamento de Educação Infantil da Secretaria Municipal da Educação e será a responsável pelas aulas presenciais. Segundo ela, a qualificação na área é necessária para que os educadores possam melhorar ainda mais a qualidade do atendimento às crianças especiais.

Atualmente, o município e as creches conveniadas são responsáveis pelo atendimento de 75 crianças especiais. A qualificação específica para a área vai complementar o curso de Sinais de Alerta, que vem sendo oferecido desde o início do ano para os educadores.

Até o momento, a Secretaria Municipal da Educação já ofereceu 188 horas de qualificação profissional. "Os cursos foram distribuídos entre os profissionais da Educação Infantil conforme as necessidades, demandas locais e disponibilidade de vagas", disse a gerente do departamento de Educação Infantil, Rita de Cássia Martins.

O curso presencial não é obrigatório mas o interesse e a procura por vagas atenderam a expectativa dos organizadores. A responsabilidade com o ofício de educar com qualidade e respeitar a dignidade das crianças foi o que motivou a educadora do CMEI Cajuru, Juliana Weigert a participar do curso.

"Geralmente a dificuldade não é da criança e sim da gente quer trabalha com ela", disse Juliana. A educadora está cursando o magistério, e a presença de uma aluna com necessidade especial em sua sala de aula foi o incentivo que a levou para o curso. "Temos a obrigação de nos aprimorar", completou Juliana.