As empresas federais do setor elétrico estão em pleno período de realização de concursos para a contratação de funcionários, após quase sete anos impedidas de ampliar os seus quadros. Os concursos deverão ser realizados até o início do próximo ano e a contratação efetiva só deverá ocorrer em 2003. Além da Eletrobras, ?holding? estatal de energia elétrica, algumas de suas subsidiárias, como Furnas e Eletronuclear, também já anunciaram concursos. Outras empresas, como a Centrais Elétricas do Rio São Francisco (Chesf) fizeram o processo no primeiro semestre deste ano.

As empresas federais do setor elétrico estavam impedidas de contratar desde 1995, quando foram incluídas no Plano Nacional de Desestatização (PND), mas o governo revogou a proibição em dezembro do ano passado, durante o racionamento de energia elétrica. A liberação dos concursos foi vinculada à limitação do número máximo de funcionários de cada empresa. Algumas estatais, além de mais funcionários, receberam autorização para realizar novos investimentos visando a aumentar a oferta de energia.

Uma das estatais que mais pretende contratar é Furnas, a segunda maior empresa de geração de energia elétrica do País, com nove usinas hidrelétricas com capacidade de geração de 9.000 MW. Segundo Roberto Mansur, da superintendência de recursos humanos da estatal, a previsão é que a empresa fará até mil contratações no ano que vem. Esses novos profissionais irão preencher as atuais 340 vagas que a empresa já dispõe e outras 550 que deverão ser abertas em dezembro, com a aposentadoria de profissionais que irão aproveitar o Plano de Demissão Voluntária (PDV) preparado pela estatal. Ao todo a estatal foi autorizada a manter um quadro de até 4.143 profissionais. A remuneração para os candidatos aprovados para o nível superior varia de R$ 1.277 45 a R$ 2.679,34, segundo informações de Furnas, com vagas para Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Goiás. A ?holding? Eletrobrás dispõe de cerca de 100 vagas para um quadro geral de cerca de 700 profissionais.

A Eletronuclear, por sua vez, pretende fazer um ?banco de reservas?, especialmente devido à iminência do início de operações da usina nuclear de Angra 3. A empresa dispõe de cerca de 60 vagas atualmente para um quadro geral de 1.990 funcionários e estima que vá precisar ?entre 250 e 300? novos profissionais se a nova usina nuclear for aprovada, conforme explica o diretor financeiro da estatal, Geraldo Mota. Os salários iniciais variam de R$ 651 para auxiliar administrativo a R$ 1.800 para engenheiros. Além disso, a empresa oferece ticket-refeição de R$ 14,00 por dia e assistência médica e odontológica completa, inclusive dependentes. Quem passar no concurso poderá ficar no ?banco de reservas? por até quatro anos.