A Pesquisa Mensal de Emprego divulgada hoje (25) mostra que o desemprego ficou estável em todo o país no mês de maio. O levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontou leve queda de 0,2 ponto percentual na taxa de desocupação em relação a abril, ficando em 10,2% da população economicamente ativa do país. O quadro também é de estabilidade na comparação com maio do ano passado, quando foi verificada a mesma taxa de desocupação.

Houve aumento, no entanto, no rendimento médio real dos trabalhadores (descontada a inflação). O valor passou de R$ 1.012,50 em abril para R$ 1.027,80, em maio. A alta é de 1,3% em relação ao mês passado, mas chega a 7,7% na comparação com o mesmo período de 2005. Este é o décimo primeiro mês consecutivo em que a variação anual dos rendimentos é positiva.

A pesquisa mostra que também cresceu o número de pessoas trabalhando com carteira assinada no setor privado. O aumento foi de 6,7% em relação ao número apurado em maio do ano passado. Houve alta em cinco das seis regiões pesquisadas.

O número de pessoas ocupadas em serviços prestados à empresa, aluguéis, atividades imobiliárias e intermediação financeira registrou crescimento de 6,3% na comparação com o mesmo mês de 2004. Em relação a abril, a taxa ficou estável.

A única capital a registrar variação significativa na taxa de desocupação foi Recife: de 16,5% para 15% na passagem de um mês para o outro. No confronto com maio de 2005, Recife apresentou alta no número de pessoas desocupadas, passando de 12,8% para 15%. Com movimento inverso, Salvador registrou desaceleração, passando de 15,9% para 13,5%. Nas demais regiões, o quadro foi de estabilidade.

A Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE mede a relação entre ao mercado e a força de trabalho no país. O levantamento é realizado mensalmente nas seis principais regiões metropolitanas: São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Recife, Porto Alegre e Belo Horizonte. São consideradas desocupadas as pessoas que estavam sem trabalho, disponíveis, e tomaram alguma atitude para conseguir trabalho nos trinta dias anteriores à entrevista.