A solenidade em comemoração aos 80 anos da OAB Paraná, realizada na noite de quarta-feira (15), em Curitiba,  foi marcada  por recordações da história da criação da Seccional e homenagens àqueles que contribuíram para a consolidação da instituição. O presidente da OAB Paraná, José Lucio Glomb, ressaltou a importância histórica da Ordem na defesa dos direitos humanos e do Estado Democrático de Direito.

Em uma breve retrospectiva da história do País e da advocacia, Glomb destacou momentos importantes da atuação da OAB em defesa da democracia. “Combatemos a política fascista do Estado Novo e a brutalidade dos instrumentos de força do governo militar. No Encontro Nacional de Presidentes de Seccionais da OAB, em 1972, Élio Narézi capitaneou a Declaração de Curitiba contra o Ato Institucional n. 5. Alguns anos depois, o Brasil ouviu o grito dos advogados pela volta da democracia, quando tivemos aqui a Conferência Nacional dos Advogados de 1978”, disse interrompido pelos aplausos. 

“E como deixar de mencionar a  última Conferência Nacional, que tivemos a coragem de trazer a Curitiba e organizar, em novembro passado,  tão bem avaliada e, ouso dizer, tão bem sucedida.”, frisou Glomb.

O presidente da Seccional conclamou a todos os advogados para continuar a construir a história, valorizar  a advocacia e buscar uma justiça rápida e eficiente. “É o caminho, longo mas possível, para que  bem possamos contribuir para melhorar as instituições e a sociedade”, afirmou. No mesmo tom, Glomb homenageou os advogados que completaram 50 anos ininterruptos de advocacia.

“Meio século de carreira ininterrupta, sem mácula. Portanto, cinqüenta anos de retidão, o que já seria por si só patrimônio invejável a ser conquistado por qualquer cidadão ao longo da sua existência, em qualquer ramo que militasse. Saudamos aqueles que têm sido, durante toda sua vida profissional, militantes da advocacia e do Direito. E, assim, muito bem sucedidos”, ressaltou.

Os ex-presidentes da Seccional, o advogado paranaense e ex-presidente do Conselho Federal da OAB, Roberto Antônio Busato, e o Grupo Paranaense de Comunicação (GRPCom) foram homenageados pela participação conjunta em dezenas de iniciativas a favor da sociedade e do estado do Paraná. “Todos os ex-presidentes merecem nosso reconhecimento e  são profissionais que simbolizam os mais de 41 mil advogados existentes hoje no Paraná”, sustentou. 

Na ocasião também foram premiados os vencedores do concurso de monografias João Régis Fassbender Teixeira. A monografia vencedora da 2ª edição do prêmio foi “A subordinação jurídica em suas perspectivas subjetiva e objetiva e a prova indiciária”, de autoria do advogado paranaense Valdomiro Czaikowski Filho.

Estiveram presentes a secretária de Estado da Justiça Maria Tereza Uille Gomes, representando o governador do Paraná, Beto Richa; o presidente do Tribunal de Justiça do Paraná, Miguel kfouri Neto; a desembargadora Ana Carolina Zaina, representando a presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região, Rosemarie Diedrichs Pimpão; o presidente da Assembleia Legislativa do Paraná, Valdir Rossoni; a procuradora-geral do município, Claudine Camargo Bettes, representando o prefeito Luciano Ducci; o desembargador federal Taadaqui Hirose, representando a presidente do Tribunal Regional Federal da 4ª região, desembargadora federal Marga Inge Barth Tessler; o diretor do Foro da Seção Judiciária do Paraná, juiz federal Friedmann Wendpap; o vereador Paulo Samaluni, representando a Câmara Municipal de Curitiba;  o procurador-geral de Justiça do Paraná, Olympio de Sá Sotto Maior Neto; representando o Instituto dos Advogados do Paraná, o advogado Ivan Xavier Vianna Filho; os conselheiros federais da OAB Paraná Paulo Henrique de Arruda Gonçalves e René Dotti; o vice-presidente da Seccional, César Moreno; a secretária-geral adjunta da OAB Paraná, Juliana Colle Bretas; o diretor tesoureiro da Seccional, Guilherme Kloss Neto, o presidente da CAA/PR, José Augusto Ara&u,acute;jo de Noronha; o presidente da OAB-Prev, Maurício Guimarães; representando o Tribunal de Ética e Disciplina da OAB Paraná, o advogado Pedro Paulo Pamplona; a ouvidora geral da OAB Paraná, Maria Helena Kuss; a coordenadora geral da ESA, Rosane Wendpapp; além de juízes, advogados, conselheiros, dirigentes de subseções, membros do TED, membros de comissões, membros do Ministério Público e familiares de advogados.

O ex-presidente Mansur Theóphilo Mansur entre os diretores da Seccional, Guilherme Kloss Neto, César Augusto Moreno, Juliana Colle Bretas e José Lucio Glomb.

Mansur lembra

lutas da Seccional 

O esforço, o sacrifício e o despreendimento dos ex-presidentes e ex-conselheiros da OAB Paraná e o emprenho de funcionários e ex-funcionários em prol da eficiência corporativa e também social da entidade foi lembrado no discurso do advogado Mansur Theóphilo Mansur, ex-presidente da Seccional na gestão de 1991- 1993 e um dos advogados homenageados com o Jubileu de Ouro, pelo 50 anos de advocacia. Mansur fez o discurso que representou todos os ex-presidentes da Seccional, após a homenagem recebida durante a solenidade comemorativa aos 80 anos de criação da OAB Paraná. “Nesses 80 anos cada um dos ex-presidentes e ex-conselheiros, ao seu tempo e ao seu modo, deixaram esse legado brilhante. São nomes respeitáveis que nos acalentaram com exemplos de cultura e dignidade”, disse Mansur durante seu discuro. “Tenho orgulho de ver o nosso órgão de classe chegar aos 80 anos de existência com a dignidade e com os serviços prestados à nossa sociedade e à corporação dos advogados. A Ordem sempre foi chamada e quando chamada sempre atendeu e procurou mostrar que a lei está acima de tudo. Nós precisamos continuar com essa filosofia, buscando sempre, na nossa corporação, mante-la unida em torno de um ideal que é a defesa do nosso estatuto, a proteção do nosso afiliado”, afirmou. O ex-presidente também destacou as lutas da Seccional, pela instalação de uma nova sede para o Fórum Cível em Curitiba, pela criação do Tribunal Regional Federal no Paraná, pelo Exame de Ordem. “Aqui na OAB não conhecemos o parto normal”, declarou ao lembrar as lutas e disse que espera para que os advogados recebam “logo, logo o seu Fórum Cível que está sendo prometido”.

Dos 23 ex-presidentes da OAB Paraná participaram da solenidade Eduardo Rocha Virmond, Newton José de Sisti, Oto Luiz Sponholz, Alcides Bitencourt Pereira, José Cid Campêlo, Mansur Theóphilo Mansur, Alfredo de Assis Gonçalves Neto, Edgard Luiz Cavalcanti de Albuquerque e José Hipólito Xavier da Silva.

De Sisti destaca papel da

OAB nos avanços conquistados 

Newton José de Sisti e José Cid Campelo.

“A Ordem é uma sociedade Civil necessária ao País”. A afirmação é do ex-presidente da OAB Paraná, o advogado Newton José de Sisti, que destacou o papel da OAB nos avanços conquistados pelo Brasil ao longo das últimas décadas. De Sisti foi homenageado na solenidade de comemoração dos 80 anos, ao lado dos ex-presidentes da Seccional, Eduardo ,Rocha Virmond, oto Luiz Sponholz, Alcides Bitencourt Pereira, José Cid Campelo, Mansur Theóphilo Mansur, Alfredo de Assis Gonçalves Neto e José Hipólito Xavier da Silva.
“A opinião da OAB Paraná é muito influente, portanto é preciso muito cuidado. O trabalho da diretoria é insano, exige muita dedicação. Graças a estes trabalhos a OAB Paraná atinge a cada dia mais seu objetivo que é a defesa da liberdade e dos direitos”, disse Sisti.
Newton José de Sisti  foi conselheiro da OAB-PR de 1964 a 1981, da qual agora é membro nato, presidiu a Seccional no período de 1979 a 1981 e atuou como membro de várias comissões, entre elas a de Reforma do Estatuto da OAB, no Conselho Federal da entidade, além de ter escrito inúmeros artigos jurídicos publicados na imprensa paranaense.

Virmond: Atuação da

OAB Paraná na defesa

da liberdade é fundamental

Com uma carreira brilhante de 60 anos, o advogado Eduardo Rocha Virmond (foto) foi um dos ex-presidentes homenageados na noite de ontem, durante a solenidade de 80 anos da OAB Paraná. Membro do conselho da Seccional há 50 anos, Virmond definiu como essencial o  papel da OAB na defesa da liberdade e dos direitos fundamentais. “A Ordem teve sempre um desempenho importante perante às instituições no Brasil, porque as pessoas envolvidas nesta instituição buscam os fins maiores da advocacia: a liberdade e a democracia”, sustentou. 

“60 anos de advocacia é uma experiencia significativa. No alto de meus 83 anos, advogo muito pouco agora, tenho ido mais devagar e me dedicado à literatura na Academia Paranaense de Letras. A sensação é de dever cumprido e muita honra de fazer parte da história da OAB Paraná”, frisou.
Virmond presidiu a OAB Paraná de 1977 a 1979, período em que o país vivia sob o controle de uma ditadura militar. Teve importante atuação na defesa das garantias fundamentais e do Estado Democrático de Direito. Foi anfitrião da histórica conferência de 1978 que marcou o início da luta institucional pelo fim da ditadura no Brasil.

(Fonte: OAB/PR)