Tribuna EmpreenderCalcula-se que mais da metade da população brasileira está acima do peso (51%), segundo dados de 2010. Em Curitiba, o percentual é ainda maior: 51,6%. Levando-se em conta que a capital paranaense tem mais de 1,7 milhões de moradores, estima-se que mais de 900 mil curitibanos estão fora do padrão estético.

Batizado de “plus size”, o mercado tem alto poder de consumo, em particular o de moda e estética feminina. São lojas de roupas, centros de estética e beleza e até academias. Um mercado de peso, já que a autoestima das mulheres está cada vez mais em alta. “Não existe mais padrão. Hoje em dia todo mundo pode vestir o que gosta, basta conhecer o seu corpo”, orienta a consultora e blogueira Liliana Nakakogue, a primeira a falar sobre o assunto na cidade, através de seu blog, o cwbplussize.

Organizando um concurso de miss “plus size” curitibana, Liliana observa que somente agora o comércio da cidade está voltando os olhos para as “gordinhas”. “Comprar em loja especializada evita o constrangimento de ter vendedoras te olhando torto e as roupas já vêm em modelagem específica”, observa. Ela lembra que boa parte das mulheres acima do peso preferia comprar pela internet, para evitar este tipo de atitude. “Mas agora isto está mudando”, acredita.

Oportunidade

Há nove anos no mercado, a empresária Mari Peron tem uma loja de vendas e aluguel especializada em roupas que vão até o manequim 64. “Realmente o corte e o caimento são bem melhores do que as roupas de lojas não especializadas”, garante. Com uma loja que leva seu nome no estacionamento de um grande supermercado, Mari se atentou para o mercado “plus size” graças à corretora que estava alugando o imóvel. “Ela observou que quem fazia compra eram as mulheres e que não tinha nada específico para quem estava acima do peso”, lembra.

No começo a lojista teve dificuldade em achar fornecedores. “O mercado ainda era muito pequeno. Mas com o tempo cresceu e hoje não tenho do que reclamar. As consumidoras são fiéis e como faço ajustes, elas sempre saem satisfeitas. E o melhor: voltam”, comemora. Ela tem oito fornecedores de roupas tamanho grande e garante que todas têm caimento “impecável”. Ela também investiu no mercado de acessórios e costuma patrocinar eventos voltados para este mercado.

Ketlhen Felismino trabalha como modelo “plus size”, outro mercado em alta na cidade.

Atendimento deve ser planejado e diferenciado

Para o consultor do Sebrae-Pr Osmar Dalquano Junior, apesar do mercado “plus size” estar em expansão, ainda falta o mercado se especializar. “Se não for uma loja específica, o lojista fica praticamente à mercê do vendedor”, observa. De acordo com ele, a orientação que o Sebrae oferece para o lojista é o planejamento e, principalmente, o perfil do negócio em que irá atuar.
“O pequeno varejo ainda compra muito mal. E se não souber comprar, a mercadoria vira estoque”, lembra. “O mercado “plus size” está bastante aquecido em relação ao varejo total”, constata. Ele orienta aos lojistas ter um “olhar específico e de oportunidade, assim como preparar a equipe interna para este tipo de público”.

“O consumidor tem que se sentir bem, ter um approach com o vendedor. Toda compra tem que ser uma boa experiência. Somente assim o consumidor vai voltar ao estabelecimento. Este tipo de público exige atenção e energia diferenciados. Não dá para tratar todo mundo igual”, lembra.

Noivas

Quem também viu nas consumidoras acima do peso um grande potencial de mercado foi o estilista Edson Eddel. Trabalhando há mais de 20 anos com locação de roupas de alta costura, ele tem mais de 800 itens em seu ateliê com preços que vão de R$ 7,8 mil a R$ 18 mil o aluguel. “Se a cliente quiser adquirir as roupas, o valor deve ser multiplicado por quatro”, observa. Ele atende noivas tamanho grande, e foge do convencional, com roupas coloridas. “Já vesti muitas mulheres acima do peso. Tem que observar a estrutura do corpo. Hoje em dia não tem mais nada proibido para elas”, atesta.

Agenda

Palestras gratuitas para microempreendedores
Hoje: Torne-se um MEI
Das 14h às 18h
Local:Espaço Empreendedor da Rua da Cidadania do Cajuru
Como exportar
Das 19h às 22h
Local: Espaço Empreendedor Rua da Cidadania do Fazendinha
Informações e inscrições
Fones: (41) 3221-9925 e 3044-1174. São admitidas até 35 pessoas por sala e as aulas sempre ocorrem nas Ruas da Cidadania.

As inscrições podem ser realizadas em oito Espaços do Empreendedor, nas Ruas da Cidadania, exceto Matriz e Bairro Novo.