Empreender - Tribuna O microempresário Moacir Xavier, proprietário da oficina Macchina Mecânica de Curitiba, recorreu pela segunda vez a um empréstimo da Fomento Paraná, instituição financeira de desenvolvimento do Governo do Estado. Ele é um dos 18 mil microempreendedores que desde 2011 buscam auxílio junto à instituição financeira. “Achei fácil, me ajudou muito”, elogia Xavier, ressaltando os juros baixos do empréstimo.

Xavier recorreu à instituição pela primeira vez em 2012, quando mudou sua oficina de lugar. Fez um empréstimo de R$ 15 mil, dinheiro que usou para comprar equipamentos. “São muito caros e como construímos sede própria, o dinheiro veio a calhar”, relata. Para o primeiro financiamento, o empresário conta que enfrentou um pouco de burocracia. “Mas como paguei em dia, quando fui fazer o segundo foi mais fácil”, afirma.

Entre as burocracias enfrentadas, o microempresário precisou de avalista e uma série de documentos. “Mas valeu a pena, os juros são muito baixos”, afirma. O segundo empréstimo foi de R$ 15 mil e agora ele já está de olho no terceiro, já que o governo aumentou o valor do empréstimo. “Só me ajudou a crescer”, elogia. A oficina tem três funcionários e de acordo com seu proprietário, vai de vento em popa. “Não estou vendo crise nenhuma. Mesmo porque quando o pessoal está sem dinheiro, prefere consertar a trocar de carro”, garante.

Oficina tem sede própria e empresário já pensa em expandir com o terceiro empréstimo (Foto: Divulgação).
Oficina tem sede própria e empresário já pensa em expandir com o terceiro empréstimo (Foto: Divulgação).

Como funciona

A Fomento Paraná contratou até outubro, R$ 45 milhões em operações de microcrédito, batendo, em dez meses, a meta para todo o ano de 2016. O valor alcançado de janeiro a outubro é também superior em quase 30% ao contratado em todo o ano de 2015, que foi de R$ 35 milhões.

As operações de microcrédito envolvem valores de até R$ 10 mil para empreendedores pessoa física e até R$ 20 mil para microempresas e microempreendedores individuais. Os recursos podem ser usados para investimento fixo, como obras e aquisição de máquinas e equipamentos, ou como capital de giro para o negócio. A Fomento Paraná é especialista nesse tipo de operação. Desde 2011, a instituição firmou mais de 18 mil contratos de microcrédito, que somam cerca de R$ 150 milhões.

Diferente de instituições financeiras convencionais, a Fomento Paraná atua com crédito orientado, que significa que, mais que o dinheiro, o empreendedor tem seu projeto de investimento analisado, é verificada a viabilidade e ele recebe orientação sobre a melhor forma de investir. As taxas de juros também são mais baixas que no mercado comercial e os financiamentos tem prazo de carência para começar a pagar.

Além disso, a instituição concede taxas diferenciadas para empreendedores que fazem cursos de capacitação gerencial, que aumentam a lucratividade ajudam a reduzir o risco nos negócios. Um dos cursos é o Bom Negócio Paraná, ministrado pelas universidades estaduais. Também são aceitas capacitações do Sebrae-PR e de outras entidades parceiras.

O microcrédito da Fomento Paraná está disponível em todas as regiões do Estado, por meio de uma rede de agentes de crédito que atuam em salas do empreendedor, nas agências do trabalhador, prefeituras, associações comerciais e outros parceiros. Para verificar se o município possui agente de crédito credenciado basta acessar aqui. www.fomento.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=234.

“A economia do Paraná é diferenciada. Nesse momento em que o agronegócio vai bem no Interior, todo o comércio e os estabelecimentos de serviços que alimentam essa cadeia estão trabalhando intensamente, demandam crédito e geram oportunidades”, explica Claudio Shigueoka, assessor de Operações do Setor Privado da instituição.

Luiz Renato Hauly, diretor de Mercado e Relações Institucionais, comenta que a capacitação da rede de agentes, em parceria com o Sebrae-PR, também tem contribuído para o aumento do volume de operações. “Além de projetos melhor estruturados, uma orientação adequada evita que o empreendedor venha a ficar inadimplente no futuro. Com isso, o recurso vai voltar e poderá atender outro empreendedor”, explica Hauly.

Capital de giro

Neste ano a instituição passou a oferecer a linha BNDES MPE Aprendiz, para empresas de micro e pequeno porte, e criou a linha própria Microcrédito Fidelidade, destinada a empreendedores clientes da Fomento Paraná que possuem histórico de bons pagadores.

“Era uma demanda do mercado nesse momento de crise econômica, com inflação e desemprego altos. Os investimentos estão reduzidos, mas as empresas precisam manter os estoques, pagar fornecedores. Nessa hora o capital de giro é fundamental, principalmente se os juros são baixos”, afirma Hauly.

Também em 2016 a instituição implantou um novo sistema de concessão de crédito, que tornou mais rápido e fácil o fluxo de operações para os agente de crédito e para os clientes.

Novos prefeitos

Com as eleições municipais, a Fomento Paraná está fazendo um trabalho junto aos prefeitos eleitos e reeleitos da importância de manter as ações em parceria para assegurar a continuidade do programa de microcrédito nos municípios. Esse será, inclusive, o tema de uma oficina de crédito no Encontro de Prefeitas e Prefeitos Eleitos do Paraná Gestão 2017-2020, que será realizado em Foz do Iguaçu, de 30 de novembro a 2 de dezembro.