Sem levar em conta o mercado informal de trabalho, o número de trabalhadores formais em abril cresceu pelo quinto mês consecutivo. Segundo o Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), divulgado hoje pelo Ministério do Trabalho, foram criados 154.024 novos empregos em abril. Esse resultado, o melhor do ano, representa um crescimento de 0,69% em relação ao estoque de trabalhadores com carteira assinada de março. Na comparação com o saldo de empregos gerados em março (21.261), a evolução foi de 624%. Segundo o Ministério do Trabalho, existem vários critérios para se avaliar o movimento do mercado de trabalho.

No caso do Caged, a comparação entre o saldo mensal de novos empregos reflete movimento de entrada e saída de trabalhadores do mercado formal. Para medir a evolução do emprego é preciso comparar o estoque de trabalhadores com carteira assinada do mês anterior com o saldo do período seguinte.

Segundo especialistas em mercado de trabalho, o movimento de entrada e saída de trabalhadores e a evolução do mercado formal não refletem sozinhos a situação do emprego no país. Outro dado importante é a rotatividade do mercado de trabalho, que no Brasil gira em torno de 37%.

Os especialistas em mercado de trabalho não gostam de utilizar o Caged como base de informação para análise do mercado de trabalho, já que o levantamento não inclui o total de empregos informais do país. A diferença de metodologia provoca uma diferença de resultados entre o Caged e outras pesquisas de emprego e desemprego.