A Novadata, empresa de Mauro Dutra, amigo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, corre o risco de ser banida das licitações do Senado pelo prazo de dois anos, a exemplo do que fez a Caixa Econômica Federal em julho do ano passado

A Secretaria Especial de Informática da Casa (Prodasen) pediu sua suspensão nas licitações na mesma ação em que cobra da empresa multa no valor de R$ 114,1 mil pelo descumprimento do contrato. De acordo com o secretário Evaldo Gomes Carneiro, a penalidade – prevista na Lei de Licitações – se deve ao descumprimento do aditivo do contrato de fevereiro deste ano, de R$ 227,8 mil, para entrega de 149 impressoras. Segundo ele, a Novadata foi notificada, mas não cumpriu o prazo estipulado. O contrato inicial, de R$ 914,1 mil, para entrega de 502 impressoras, é de fevereiro do ano passado

Há um ano, a Caixa Econômica Federal rescindiu um contrato de R$ 10,9 milhões, assinado em outubro de 2004, pelo atraso na entrega de computadores. O processo "está em andamento com penalidades contratuais por atraso na entrega de equipamentos", segundo a assessoria de imprensa da instituição. Ela informa, ainda, "em virtude de penalidades anteriores, o fornecedor se encontra suspenso para licitar e contratar com a instituição pelo período de dois anos, a partir de julho de 2005"