O anúncio de ampliação dos incentivos ficais a micro, pequenas e médias empresas paranaenses feito nesta sexta-feira (23) pelo governador Roberto Requião, no Palácio Iguaçu, motivou representantes de setores da economia do Estado. Depois da assinatura do decreto, que isenta de ICMS empresas que faturam até R$ 25 mil por mês e reduz o imposto de outras cujo faturarmento é acima deste valor, os empresários agradeceram o governo do Estado e falaram sobre a importância desta ação para o Paraná.

O diretor superintendente do Sebrae Paraná, Hélio Cadore, disse que esse incentivo do governo do Estado é fundamental para o setor. ?Há dois anos este governo vem concedendo isenção a empresas, seguindo o conceito de trocar impostos por empregos e isso vem dado certo?, avaliou. Segundo Cadore, esta iniciativa tem produzido impacto grande na economia, pois as empresas estão produzindo mais, gerando mais empregos e estão sendo mais formalizadas. ?Reduzimos as empresas informais e aumentamos o número de trabalhadores registrados. Estamos expandindo as empresas paranaenses?, afirmou.

Para o presidente do Sindicato da Indústria de Panificação e Confeitaria do Paraná, Joaquim Cancela, o decreto traz benefícios a toda população paranaense. ?Isto significa crescimento, mais emprego, mais escolas, mais segurança e, acima de tudo, a valorização de nós paranaenses, empresas paranaenses, que durante anos assistimos grandes multinacionais sendo beneficiadas?, disse. Para o presidente do sindicato, agora chegou a vez do empresário do Estado do Paraná ser valorizado. ?Temos que agradecer o governador por este ato de coragem. Ele tem valorizado o empresário do Estado do Paraná?, declarou ele.

O presidente da Associação Comercial do Paraná (ACP), Cláudio Slaviero, também falou sobre importância da ampliação da isenção e redução do ICMS. De acordo com ele, essa medida mantém as empresas em funcionamento e amplia o leque do setor empresarial, mantendo empregos e dando mais segurança aos empregados. ?Tudo isso abre a possibilidade de novos empregos. A isenção não causa impacto na arrecadação do Estado, porque as empresas que vão continuar pagando imposto superam a arrecadação destas que não pagam?, informou.

Slaviero disse ainda que, na Associação Comercial, 80% dos associados são micro e pequenos empresários. ?A medida vai facilitar e ajudar a sobrevivência, manutenção, ampliação e fortalecimento dessas empresas?, declarou. ?O governo do Estado está de parabéns?, completou.

Emprego formal

De acordo com o primeiro vice-presidente da Federação das Associações Comerciais e Industriais do Paraná (Faciap), coordenador para Micro, Pequenas e Médias Empresas na Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep) e Confederação Nacional da Indústria (CNI), Humberto de Ramos Cabral, atualmente, para cada empresa legalizada, existem entre duas ou três na ilegalidade. ?O Paraná é um caso de sucesso em todo o Brasil. Quando o governador aumenta esta faixa de incentivo fiscal, ele proporciona condições para aquela pessoa sar da ilegalidade. Quando você dá condições para que essas pessoas possam ter registro em carteira, que possam pagar os funcionários, você dá dignidade a muita gente?, afirmou.

O diretor do Instituto Paraná de Desenvolvimento (IPD), Rodrigo Rocha Loures, que também estava presente na solenidade, disse que um dos benefícios do decreto é a reativação da economia. ?Aquelas empresas que estão na informalidade poderão retornar à luz da lei, da produção, do comércio e do varejo. Nós recebemos a medida com grande felicidade, é um presente de Natal que o governador Requião concede a todos os paranaenses?, comentou o diretor.

Ainda, segundo ele, o governador está beneficiando mais de 30 mil empresas do Paraná e cumprindo o seu compromisso de estender o programa, caso o decreto do Bom Emprego, assinado em 2003, fosse bem recebido pelos empresários paranaenses. ?Esta atitude do governador estimula o empreendedor. O mais importante é que a grande massa de emprego do país e do mundo se concentra nas micros e pequenas empresas?, completou o empresário.

O presidente do Sistema Fecomércio, Darci Piana, falou que o governador está no caminho certo, pois mesmo aumentando as alíquotas, aumentando o volume de empresas que deixam de contribuir, houve um crescimento de quase 12% na arrecadação do ICMS do Estado. ?Isso mostra que, quando o governo quer e faz as coisas corretas, o povo e os empresários respondem contribuindo e isso beneficia a todos?, finalizou ele.