O secretário da Justiça e da Cidadania, Aldo Parzianello, assinou a resolução que determina a redução das taxas administrativas, de empresas que empregam presos e egressos do Sistema Penitenciário do Paraná. ?A medida tem por objetivo estimular a utilização da mão-de-obra prisional, através de incentivos destinados às empresas conveniadas?, destacou Parzianello.

A ação, denominada Programa de Redução Progressiva, propõe o abatimento de 25% nos encargos das empresas recolhidos pelo Fundo Penitenciário. A cada preso ou egresso empregado, haverá o desconto de 1% nos tributos, de forma progressiva. Também está prevista, no programa, a dedução à empresa que, mesmo não tendo condições de assegurar outras vagas no mercado de trabalho, indicar outra empresa que realize a contratação de internos das unidades prisionais do Estado.

Empresário do ramo de marketing e distribuição de plásticos, Marcos Antônio Ramon, que há cerca de um ano investiu na panificadora desativada da Prisão Provisória de Curitiba (PPC), no Ahu, está prestes a ter o canteiro de trabalho da unidade certificado com o ISO 9000. ?Será um certificado inédito, de qualidade internacional concedido a produtos feitos no Sistema Penitenciário?, destacou Ramon.

A ação que tem por meta a ressocialização por intermédio da profissionalização, ganhou o nome de ?Projeto Mão Amiga?, com a participação voluntária de outros empresários. A panificadora da unidade do Ahu começou suas atividades empregando cinco internos. Atualmente são 18 homens trabalhando no local e produzindo 18 mil pães diariamente, comercializados a empresas fornecedoras do próprio Sistema. ?O compromisso da Secretaria da Justiça e da Cidadania em prover a inserção social do apenado é séria, fazendo com que toda a sociedade também se mobilize, participando de programas do Governo do Estado, comprometidos com a responsabilidade social?, concluiu Ramon.