Lisboa (AE) – O Banco Espírito Santo (BES) informou hoje (5) que foi mesmo o publicitário Marcos Valério Fernandes de Souza quem tomou a iniciativa de intermediar uma reunião entre os representantes da instituição financeira e o ex-ministro da Casa Civil e deputado José Dirceu (PT-SP).

De acordo com o banco, no final de outubro ou no começo de novembro de 2004 Valério viajou para Lisboa para apresentar suas agências de publicidade ao banco português. Segundo a assessoria, em reunião com o presidente do grupo, Ricardo Espírito Santo Salgado, Valério recebeu a sugestão de entrar em contato com o escritório do BES no Brasil.

Quando retornou ao País, o publicitário teria promovido uma reunião para apresentar as suas agências ao presidente do BES no Brasil, Ricardo Espírito Santo Silva, primo do presidente do grupo.

Nessa reunião, Silva teria comentado que estava tentando havia muito tempo apresentar o grupo ao governo brasileiro e não conseguia agendar uma reunião. Valério se prontificou a fazer o contato e, dois dias depois, telefonou dizendo que a audiência estava marcada para 11 de janeiro.

Penetra

No dia agendado, quando Silva chegou ao Palácio do Planalto para a reunião, ficou espantado ao ver Valério na ante-sala. A surpresa teria aumentado quando Valério entrou para a reunião. O presidente do banco considerou que ele era um penetra. "Ele não deveria estar lá, mas estava. O presidente (Ricardo Silva) achou estranho, mas tinha vindo para fazer a apresentação do banco e começou assim mesmo?", relatou a assessoria.

A apresentação era importante para o banco, que tem no Brasil investimentos de mais de US$ 1 bilhão – possui 3,25% do Bradesco, 10% da Bradespar, além de unidades hoteleiras na Bahia e investimentos agropecuários. Segundo a assessoria, a reunião com o ministro teve apenas quatro pontos: "Quem é o BES, quais os investimentos no Brasil, quais as áreas de atuação e quais os projetos no País."

A assessoria nega que tenham sido discutidos outros assuntos, como as Parcerias Público Privada (PPPs). E ainda garantiu: "Quando há discussões sobre investimentos específicos, o presidente (Ricardo Silva) só entra nas reuniões acompanhado dos especialistas no assunto. Ele foi à reunião sozinho."

Versão – O ex-ministro de Obras Públicas e Comunicações de Portugal Antônio Mexia mudou outra vez de opinião sobre o status de Valério e disse não se lembrar as palavras exatas sobre como o brasileiro lhe foi apresentado pelo presidente da Portugal Telecom, Miguel Horta e Costa. Ao jornal "Expresso", afirmou que ficou com a idéia de se tratar de "uma pessoa importante no Brasil, com influência e cuja opinião importa".

No dia 16, Mexia havia dado entrevista ao jornal português "Expresso" afirmando que Valério lhe havia sido apresentado como "consultor do presidente do Brasil". Na quinta-feira, após ser convocado para explicações na embaixada brasileira em Lisboa, alegou que ele foi apresentado como empresário.