Uma reunião marcada para hoje, às 9 horas, entre representantes dos sindicatos de categorias que operam no porto de Paranaguá e da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa), mediado pela Delegacia Regional do Trabalho (DRT), dará início às negociações para por fim ao impasse entre funcionários do porto e governo do Estado, que paralisou totalmente as atividades no terminal nos últimos cinco dias. Os 2 mil e 700 estivadores – principal categoria de trabalhadores portuários – que participavam da paralisação, já decidiram, em assembléia, voltar ao trabalho.

A fila, com cerca de 6 mil caminhoneiros, na Br 277 permanece, segundo a Polícia Rodoviária Federal, em 70 quilômetros, saindo do litoral e chegando a área urbana de Curitiba.

No porto, 46 navios aguardam em alto mar para serem carregados. Diariamente, 75 mil toneladas de cargas estão deixando de ser movimentadas.

O transporte de produtos pelos trilhos de trem do Paraná também já está sendo prejudicado por causa da paralisação no Porto de Paranaguá. Mais de 500 vagões estão parados em várias regiões do estado.